Dedo na ferida

Trovoadas na política não cessam. A tese que pedia eleições diretas era coerente ao PT e partidos aliados, agora ganha adesão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que compara o governo de Temer a uma pinguela prestes a desabar e do ex presidente do STF, Joaquim Barbosa. Temer, contudo descarta convocar eleições gerais e tem adotado o comportamento de enfrentamento, como se não tivesse cometido deslize algum.

Temos vivido aos trancos e barrancos, assistindo algo como o desmonte de uma máquina, a qual creditavam potencial e ela quebrava. Consertam, ela funciona, creditam-lhe potencial e ela quebra novamente. O que há de errado com esta máquina que se chama Brasil, onde a dominação política tem sido legitimada pelos vínculos recíprocos entre as instituições, enquanto esperava-se que os outros poderes agissem como freio para limitar o abuso de poder?

O país oferece educação gratuita e saúde de acesso universal, embora sabemos que o governo não tem dinheiro tampouco a pretensão de bancar nenhum nem outro com qualidade e ainda assim, nosso ego, como país gigante, mega produtor, dono de uma diversidade cultural inigualável, nos cega diante da realidade que sabemos pouco do que se passa no país, que a mídia alimenta o povo somente no limite do que quer tornar público.

As críticas são pontuais e tímidas diante da soberba que nos leva a crer que estamos no limiar da travessia para um futuro onde nosso potencial será reverenciado. A realidade é que a economia segue instável e as novas vidas também.E isso cansa!

No Estado, a mania de grandeza segue desproporcional. Somos os maiores, os melhores, exportamos para o mundo, mas ainda não temos resolvido o problema da infraestrutura das estradas ou forma alternativa de transporte para escoar a produção.

A saúde, por mais que tentem, Estado e municípios não conseguem redimensionar a capacidade de responder ao indivíduo com atendimento humanizado e eficiente. O setor público está inchado e segue o embate dos servidores cobrando o pagamento da RGA do Estado.

Amigos do setor privado do comércio e indústria estão reclamando dos impostos abusivos e da burocracia desmedida já incorporada aos processos públicos, o que só promove a mediocridade do sistema.

Hora de parar de amaciar o ego e fazer prevalecer a racionalidade política e econômica, a generosidade para atender os mais necessitados e certa humildade para reconhecer que falhamos muito, porque nossos ideais nem sempre são republicanos e os governantes acabam se distanciando muito das aspirações da sociedade e estas são umas das causas das nossas formidáveis desilusões.

É uma luta acessara universidade e a saúde pública, conseguir equilibrar o fardo da existência e o peso da consciência e a incerteza que se alarga a cada nova denúncia envolvendo governantes de centro, direita e esquerda. É um vexame condenatório sem precedentes.

E o único indício que temos é que até 2018 chegar, navegaremos em mares revoltos e depois sentiremos novamente a consequência da escolha da maioria. E convenhamos, sempre foi um pouco assustador viver com os resultados das nossas escolhas.

Em paz

Os dias sem sossego. As noites em paz. Os dias e os planos. A noite e os sonhos. A vida segue entre tormenta e calmaria, visitando lugares ocultos na alma, ouvindo a voz que clama e não cala.

O que faço aqui debruçado nesse abraço?

O que busco é a incerteza do tempo,  a imensa vontade de fechar os olhos e deixar…passar as horas, passar a estrada que me levaria embora.

Tenho repetidamente experimentado emoções extraordinárias.

Quem tem medo de mudança?

Mesmo não sentindo-me bem governada, não penso habitar outra República. Aqui colocada a esperança no nível adequado às coisas inconcebíveis, como missão de santo em causas impossíveis, entre curiosidade, preocupação e especulação, vamos marcando a existência entre prazer e dor, nos conformando com regulamentos que oram apertam, ora afrouxam o homem em seu insulamento.

Se eu pudesse escolher um novo lugar de nascimento, escolheria nascer numa sociedade de homens mais íntegros do que eruditos e que ninguém se pusesse acima da lei. É muito difícil ser um “cidadão” neste país!

Suponhamos vencidas as primeiras dificuldades, as reformas capengam e os estresses são palpáveis. Visitando o site do Congresso Nacional é possível perceber a obtusa concentração de homens estranhos, sem almas fortes, sem expressão de virtudes e com zelo excessivo pela aparência.

A maioria desses senhores protelam deixar a base do governo, temendo ficar fora de alguma vantagem e mantendo-se alinhados, colocam suas bases eleitorais em severo risco. São assim…acendem uma vela para Deus e outra para o diabo.

No entanto, cada um aliena o bem que tem, daí decorre a espetacularização da nossa miséria cotidiana, onde os grupos políticos que discutem nosso destino se organizam a partir da soma das vontades particulares, da distinta designação de suas vaidades.

Que horrível agitação experimentamos nós testemunhas de tantos julgamentos. No Supremo, as novidades não cessam. Um susto por dia!

Esta semana julgam as contas de campanha da chapa Dilma/Temer que, quase unanimemente, os políticos fingem que nunca existiu. A impressão que se tem é que Temer praticamente nasceu no posto que ocupa, dado o pânico de se discutir honestamente o assunto.

Não se trata de escolher uma situação mais favorável para o Brasil encerrar o ciclo presidencial, trata-se de fazer Justiça, de deixar a lei cumprir-se, como tem que ser. Se a chapa cometeu crime, que seja cassada. O drama que disto resultar, tem que ser resolvido após a cassação.

Contudo parece que a instituição suporta bem as idiossincrasias do nosso sistema democrático e então, sem temer!

Mais do que reivindicar direitos cidadãos, do que marcar postura de oposição, essa é uma abordagem política, que postula ao STF a possibilidade de promover o reencontro do cidadão com a esperança de ir vendo o país livrar-se de um a um dos homens investigados por corrupção, estejam estes, nos cargos que estiverem.

Recomeçar é uma tarefa que os brasileiros comuns executam todos os dias. O país não há de parar e homens íntegros ainda existem, em todas as esferas da vida pública.

Sem receita de bolo

Quem está no comando do país não importa tanto quanto ver em curso a reforma política que o Brasil urgentemente precisa. Na opinião de analistas políticos e economistas, o presidente Temer tem melhores condições para comandá-la, dado ao relacionamento com os deputados e senadores para aprovar esta e outras reformas, porém, os fatos recentes que envolvem o presidente em práticas suspeitas podem fazer declinar tudo isso.

Crises são imponderáveis. O fim é incerto e endossar uma saída ou outra, embora temerário, vai fazendo-se necessário, para dar contorno final à crise.

Não há receita para ser honesto, mas provavelmente a ética política passa longe de malas monitoradas com R$ 500 mil; passa longe de equipamentos para invadir a privacidade dos outros, arrancando-lhes segredos inconvenientes mais do que traições e desonestidades políticas.

Sabemos enfim, que a ética política passa longe de comprar silêncio, de desmoralizar quem critica o governo.

Num estudo sobre o sistema de leis nas sociedades selvagens, o antropólogo polonês Malinowski assevera que, no mundo primitivo, as leis são seguidas e não desafiadas e que a submissão às leis dá-se porque os homens primitivos têm a misteriosa propensão para obedecer às leis, por que estas não são vistas como uma mera máquina de fazer justiça em casos de transgressão e sim, como uma combinação complexa de coerção e crença que leva as pessoas a manterem suas obrigações.

Enfim, se por fatores sobrenaturais ou em nome do sentimento de honra, o fato é que nenhuma sociedade pode funcionar eficientemente, a menos que as leis sejam obedecidas espontaneamente.

No mundo contemporâneo, além de descumprirem as leis, todos os impasses jurídicos são protelados. Tanto na Lava Jato, no caso da escuta clandestina da conversa com o presidente, das escutas igualmente clandestinas em terras mato-grossenses.

Da parte do cidadão, há pressa de se estabelecer a verdade e de ver os culpados dos ilícitos denunciados, mas da parte política e da Justiça pode não haver disposição para concluir os processos. Estes têm a lei e suas manipulações singulares e sensacionais!

O momento é complicado. Tipo um poder vigiando a mediocridade do outro, inventando fatos, quando tudo o que queremos é encerrar logo os impasses insuportáveis da apuração dos grampos aqui e da sobrevida do presidente Temer.

Estamos enfim, entre a cruz e a espada, desviando de tentativas de manipulação de todos os lados, desconfiados, inseguros e cheios de ouvir casos de corrupção, delação, negociação, condenação e absolvição.

Pode ser que tenhamos um novo presidente, comprado, agora não sabemos com dinheiro de quem, descartando Odebrecht, BNDES, OAS, JBS, o que temos? Ou quem sabe a honestidade e a ética serão implantadas em Brasília como o valor referencial de um novo governo?

Sobram dúvidas

Toda instabilidade na política e na economia leva a sociedade a pagar um preço alto, mais alto quanto maior for a incerteza. Ninguém está em condições de fazer prognósticos sobre o possível encaminhamento da crise instalada no país.

Certo é que está instalado um cenário de conflitos e esse tsunami da gravação ilegal e delação do Joesley Batista, pegou o país alinhavando um processo de retomada da economia e da estabilidade política.

Devido à interação que existe entre política e economia, qualquer movimento que balança a posição do presidente, causa estresse profundo e retração em todos os ambientes. Os empresários seguram os investimentos que estavam prontos para fazer, as famílias adiam os projetos que as levariam a gastar mais, porque ninguém está seguro quanto aos riscos que poderão enfrentar logo a frente.

Em meio a zonzeira em que se encontram os analistas políticos e os próprios políticos é aconselhável ler tudo, colocar fé em quase nada e aguardar o desfecho, do que foi, mais um caso de grampo, delação e fuga a emporcalhar a já combalida república.

Sinto-me, às vezes, sem inteligência suficiente para traçar um paralelo dos delitos cometidos pela Odebrecht e JBS. Ver que enquanto um empresário cumpre justa pena de prisão, o outro leva vida milionária em Nova Iorque e teve os crimes praticamente anistiados.

Penso que entra aí o trabalho hercúleo dos advogados de defesa dos irmãos Batista, senão cabe crer, que foi adotado a favor destes, velha prática de dois pesos e duas medidas distintas para uma situação de corrupção quase idêntica: apropriação de recursos públicos, desvios e subornos.

Aqui em Mato Grosso, a JBS entrou firme no mercado do Estado que é o detentor do maior rebanho bovino do país e que operava o abate em várias pequenas e médias plantas frigoríficas espalhadas pelo Estado. Agressivamente, a JBS investiu na compra de várias plantas, para posteriormente fechá-las, causando desemprego e desequilíbrio nas contas de municípios pequenos que contavam com o aporte dos impostos gerados.

Verificou-se claramente que a JBS praticava concentração de mercado. O resultado final dos trabalhos na CPI dos frigoríficos, conduzida pelo deputado Nininho, detectou essa formação de cartel e apontou a preocupação com o fechamento de mais plantas no decorrer deste ano.

Para evitar que isso aconteça, o relatório da CPI indicou oficiar ao Ministério da Agricultura, para que adotasse providências para evitar o encerramento das atividades frigoríficas no estado e interceder para a reabertura em curto prazo de pelo menos 6 plantas. Ao CADE também foi encaminhado solicitação de abertura de procedimento para averiguar e punir a concentração do mercado nas mãos únicas da JBS.

Com retração, indignação ou paralisia não devemos distanciar à atenção da Câmara e do Senado. Hoje, terça (23), está pautado para ser votada a Proposta de Emenda à Constituição, PEC de autoria do deputado Federal Miro Teixeira, que prevê o estabelecimento de eleições diretas em caso específico de vacância do cargo de presidente da república, até 6 meses antes do final do seu mandato, o que pode até parecer casuísmo para favorecer candidaturas já colocadas.

Caso Temer não resista, o texto atual da Constituição prevê eleição indireta para presidente, sendo este votado pelos 513 deputados federais e 81 senadores. Tal situação nos levará a ter um governo biônico. Já articulam uma saída controlada, a ideia é eleição indireta mesmo.

Em meio a bagunça do cenário atual e com a certeza que o jogo é bruto e que dias difíceis virão pela frente, vale considerar cuidadosamente três pontos: o encontro entre o Presidente Temer e o empresário da JBS, fora do local de trabalho e da agenda oficial do presidente; a JBS já havia sido alvo de várias operações, portanto, já existiam provas cabais contra a empresa investigada; relembro que esses senhores não caíram do céu. É o que nosso sistema produz.

Escuta clandestina

A invasão da privacidade de um indivíduo é delito grave, a escuta clandestina é ilegal, ofensiva e imoral. Mas não nos enganemos, os governos de todas as esferas usam e continuarão a usar a tecnologia para invadir vidas privadas, sobretudo de opositores, ainda que diante da clareza que o grampo viola o direito à privacidade e no caso de indivíduos não investigados por crimes, o caso torna-se de fato, diabólico. Isso é absolutamente inaceitável. Escuta ilegal clandestina não é só um crime como uma vergonha.

A suspeita do uso de escutas telefônicas clandestinas em órgãos do governo de Mato Grosso para “vigiar e possivelmente punir” os adversários políticos é algo gravíssimo que precisa ser investigado profunda e honestamente porque viola o estado democrático de direito, ainda mais quando a arapongagem é paga com o dinheiro do cidadão. Grampos eram muito utilizados no tempo da ditadura militar e não cabe portanto, nos dias atuais.

O fato é que há uma denúncia formal na PGR feita por um membro do MP do Estado e as investigações têm que chegar em quem gravou, porque gravou e quem determinou que a escuta fosse feita numa lista extensa de pretensos desafetos, que vão desde políticos, jornalistas, médicos, advogados e quem se beneficiou com as informações.

Segundo um advogado, mesmo nas ocasiões em que um órgão de investigação precisa gravar as conversas telefônicas de uma pessoa sob suspeita, as conversas são pinçadas, colhidas em pedaços de escutas, muitas vezes por pessoas sem preparo, que manipulam as informações do jeito que querem antes de serem anexadas aos processos. Imagina agora,  informações colhidas com a intenção de expor e desmoralizar adversários!

A implantação de técnicas contraventoras é contraditória à luz das democracias e do direito fundamental à privacidade. Não precisamos recorrer aos fatos de grande repercussão Internacional como Watergate; a invasão da conta de e-mails do ex premier Britânico, Tony Blair e sob a administração de Obama, o caso da NSA, uma agência de vigilância global, cujos programas foram tornados públicos pelo analista de sistemas, Edward Snowden.

Temos aqui as lambanças nacionais. Lembram-se da Abin – Agência Brasileira de Informação? Pois então, envolveu-se em vários casos de grampos com propósito meramente político. trazendo à tona, fofocas, adultérios, filhos ilegítimos mais do que informações relevantes e ainda expôs os membros do Supremo Tribunal Federal, num caso que virou CPI.

A comissão parlamentar de inquérito das Escutas Clandestinas ou CPI do Grampo investigou possíveis escutas clandestinas nos telefones do Palácio do Planalto e de ministros do STF. Os laudos periciais demonstraram que as conversas foram manipuladas e divulgadas completamente fora do contexto em que foram ditas.

No ano de 2011 as Assembleias Legislativas do Paraná e São Paulo localizaram centrais de escutas instaladas e operando. Os policiais acusados foram demitidos e condenados. À época, um desembargador aposentado do estado de São Paulo, desdenhou a eficácia das escutas clandestinas nos dias atuais: “uma coisa, porém, é certa: logo, logo, escutas telefônicas serão inúteis. Somente relaxados marginais, com ou sem gravata, terão a audácia, ou “burrice” de conversar assuntos comprometedores pelo telefone”.

Respeito pela vida

Não precisamos perguntar se esta ou aquela vida merece solidariedade. Toda vida é sagrada e devemos ser vida que quer existir em meio à vida que quer viver. É bom conservar e acalentar a vida; é ruim reprimir e destruir a vida, em qualquer hipótese estudada, segundo o filósofo alemão, Albert Schweitzer.

Entretanto, o suicídio é um fenômeno que se manifesta ao longo de toda a história da humanidade, em todas as culturas.

Numa semana em que a mídia explorou o tema suicídio, diante do fato ocorrido com jovem, de 23 anos que tentou o suicídio atirando-se do Portão do Inferno e foi salva. Sem nenhum julgamento e pretensão, decidi revelar que o suicídio é um tema que intriga-me e ao qual, dedico parte do tempo dos meus estudos como cientista social.

Não é recente meu interesse em entender esse fenômeno social, como Émile Durkheim, sociólogo francês, trata o tema.

Ao escrever “O Suicídio” (1897), Durkheim analisou muitas formas individuais e diferentes tipos de suicídios, procurou determiná-los a partir do exame de casos de desconfiança, infidelidade, falta de integração com a sociedade, além de estabelecer relação do suicídio com estados psicológicos alterados por paixões anormais, por hereditariedade e até por raça.

Durkheim distingue três tipos de suicídio: suicídio egoísta, suicídio altruísta e suicídio anômico, este último, caracterizado pela falta de viabilidade que o individuo vê em seu quadro social, o que o induz a interpretação de que está de mãos atadas e incapaz de promover qualquer mudança na própria vida.

O ato em si pode ser entendido, não como punição, mas como fuga. É a partir dos estudos publicados por Durkheim que se inaugura um novo olhar sobre o suicídio. O trabalho é perfeito no sentido de apresentar inúmeras variações de comportamentos que podem levar ao suicídio.

Pesquisou a tendência ao ato nos diferentes cultos religiosos, nas faixas etárias, reações climáticas, poder econômico, alcoolismo, tudo sem negar que o suicídio é um ato individual, mas que as predisposições individuais sozinhas não são as causas da maioria dos suicídios.

Muitas pessoas tentam o suicídio diante da incapacidade de suportar dores emocionais, como: perda de pessoas queridas, término de relacionamentos, traumas. Outras, aparentemente sem razão, de repente, num arrebatamento passageiro são arrastados para a escuridão, no outro, é um estado constante de melancolia, do qual não consegue se libertar e está ligado ao caráter da pessoa.

Com um psiquiatra amigo aprendi que é possível estabelecer uma relação acentuada entre o suicídio e a depressão endógena, aquela que não depende de uma causa aparente para a tristeza se instalar. Com início brusco e como descolorimento da vida, a morte é uma ideia quase obsessiva, o risco de suicídio é enorme e vemprecedido de delírios e ruptura com a realidade.

A depressão endógena, de forma simples, é explicada como uma dor persistente que existe lá dentro, com o inconveniente de não ser fácil de observar.

A intenção é algo muito íntimo para ser percebida de fora. As causas são tão complexas e vão desde fator genético à falhas biológicas, como desequilíbrio em algum fator químico do cérebro, como a diminuição aceleradada serotonina. Portanto, não é possível ver um louco em todo suicida.

Vincent W. van Gogh (1853-1890), o famoso pintor holandês, era depressivo,  num surto psicótico, cortou a própria orelha  e anos mais tarde, se matou com um tiro e acreditava que, com seu ato, faria com que os amigos e familiares se sentissem seus assassinos.

O que fazer então, para viver uma vida plena?