Os Maias

Nada a desejar e nada a recear… Não se abandonar a uma esperança – nem a um desapontamento.
Tudo aceitar, o que vem e o que foge, com a tranqüilidade com que se acolhem as naturais mudanças de dias agrestes e de dias suaves.
E, nesta placidez deixar esse pedaço de matéria organizada, que se chama o Eu,
ir-se deteriorando até reentrar e se perder no infinito Universo…
Sobretudo não ter apetites. E, mais que tudo, não ter contrariedades”.

(Eça de Queiroz – Os Maias)

O sacrifício pelo livre pensar de Giordano Bruno

Revi o filme sobre o filósofo Italiano Giordano Bruno, que havia assistido há certo tempo na sala de aula.
Filipe Bruno nasceu em Nola, Itália em 1548 e recebeu o nome de Giordano quando ingressou no convento São Domingos, onde foi ordenado sacerdote.
Inquieto e independente, teve problemas com seus superiores desde o período de estudante e até processo por insubordinação foi instaurado contra ele. Mas, por outro lado, seu talento intelectual despertou a admiração de muitos.
Criticava o pensamento intelectual da época e teve que fugir de Nápoles para Roma e depois para a Suíça, onde estudou o pensamento teológico protestante
que ao final, considerou tão restritivo quanto o dos católicos.
Viveu também na França, conquistou a simpatia de Henrique III. Viajou para a Inglaterra, mas não integrou-se com os docentes de Oxford, tampouco com os Luteranos na Alemanha.
Foi denunciado ao Santo Ofício por seu interesse pela magia.
Bruno era um visionário, alimentava sua filosofia com a teoria de que o universo era infinito, com vida inteligente em outros planetas. Bruno também discorria sobre os poderes extraordinários de seres humanos e ainda, ridicularizava alguns milagres de Cristo e até a virgindade de Maria.
O filme mostra todo o processo e a execução do filósofo, que foi torturado durante oito anos, até ser condenado à morte na fogueira, em 1600. Morreu sem negar seus pontos de vista filosóficos, suas teorias contrárias aos dogmas da Igreja Católica.

A Filosofia de Giordano Bruno
Bruno surgiu num momento de intolerância religiosa e poderia ser considerado um mago-filósofo, que mantinha-se dentro dos limites da ortodoxia cristã. Seu pensamento porém, conduzia à magia sob o pretexto de que é necessário aceitar o diferente, com a riqueza de seus pontos de vista. Uma mistura de filosofia e alquimia.
O pensamento de Giordano Bruno era holistico ( teoria segundo a qual, o homem é um todo indivisível, que só pode ser explicado o físico e psíquico conjuntamente), naturalista e espiritualista.

Crônica de Arnaldo Jabor

Alguns textos creditados a Jabor, tem a autoria contestada por ele próprio. Nesse caso, não sei, mas tomara que seja dele, porque tem a linha de ironia que o define.

“…E o bom da vida, é que você pôde ter vários amores.
Não acredito em pessoas que se complementam.
Acredito em pessoas que se somam.
Às vezes você não consegue nem dar cem por cento de você para você mesmo, como cobrar cem por cento do outro?
E não temos essa coisa completa.
Acho que o beijo é importante… e se o beijo bate… se joga… se não bate… mais um Martini, por favor… e vá dar uma volta .
Se ele ou ela não te quer mais, não force a barra.
O outro tem o direito de não te querer.
Não brigue, não ligue, não dê pití.
Se a pessoa tá com dúvidas, problema dela, cabe a você esperar… ou não.
Existe gente que precisa da ausência para querer a presença.
O ser humano não é absoluto.
Ele titubeia, tem dúvidas e medos, mas se a pessoa REALMENTE gostar, ela volta .
Nada de drama.
Que graça tem alguém do seu lado sob pressão?
O legal é alguém que está com você, só por você.
E vice-versa.
Não fique com alguém por pena.
Ou por medo da solidão.
Nascemos sós. Morremos sós.
Nosso pensamento é nosso, não é compartilhado.
E quando você acorda, a primeira impressão é sempre sua, seu olhar, seu pensamento.
Tem gente que pula de um romance para o outro.
Que medo é este de se ver só, na sua própria companhia?
Gostar dói.
Muitas vezes você vai sentir raiva, ciúmes, ódio, frustração… Faz parte.
Você convive com outro ser, um outro mundo, um outro universo.
E nem sempre as coisas são como você gostaria que fosse…
A pior coisa é gente que tem medo de se envolver.
Se alguém vier com este papo, corra, afinal você não é terapeuta.
Se não quer se envolver, namore uma planta. É mais previsível.
Na vida e no amor, não temos garantias.
Nem toda pessoa que te convida para sair é para casar.
Nem todo beijo é para romancear.
E nem todo sexo bom é para descartar… ou se apaixonar… ou se culpar…
Enfim…quem disse que ser adulto é fácil?”

I`ve got you under my skin – Eu tenho voce sob a minha pele

Fim de tarde chuvosa, noite propicia para ficar em casa, ouvir musica, pensar, pensar e pensar de novo…não consigo desligar-me de nada. Penso na vida, nos filhos, no trabalho, nos amigos. Ouvir música estimula meus pensamentos.
Acabei de receber da minha filha a versão de “ I´ve got you under my skin” ( eu tenho você sob a minha pele ) um dueto fantástico de Frank Sinatra e Bono Vox, do U2.
Fico nostálgica. Mesmo assim, não consigo me ver sem uma luta pela frente, sem uma barreira para transpor, sem um pensamento para organizar, sem uma dor que insiste em brotar e que não quero ver.
Sei que não estou sempre certa, que não tenho respostas para a maioria das minhas indagações e que não tenho que enfrentar todas as lutas. Posso pedir ajuda, adiar, desistir. Mas eu?
Meu caminho é sempre à frente, meus problemas são discutidos à exaustão, minhas lutas são diárias, por mim, por outros que nem sei quem são.
É uma luta para viver bem comigo mesma e com os que me são caros.
Faço um exercício também diário para ser melhor hoje do que pude ser ontem, para avançar, construir meu futuro com sentimentos novos ou pelo menos renovados. Anseio ser sempre autentica, profunda, crítica e construtiva.
Meu espaço quero inteiro ocupado por bons fluidos, cheiro de incenso, música boa, amigos leais e regado a um bom vinho, tinto, claro!

I’ve Got You Under My Skin
(Frank Sinatra)

I have got you under my skin
I’ve got you deep in the heart of me
So deep in my heart that you´re really a part of me.
I’ve got you under my skin.

I have tried so not to give in
I have said to myself this affair never will go so well
But why should I try to resist, when baby I know so well
That I’ve got you under my skin.

I’d sacrifice anything come what might
for the sake of having you near.
In spite of a warning voice that comes in the night
And repeats, repeats in my ear

Don’t you know little fool, you never can win
Use your mentality, wake up to reality,
But each time that I do, just the thought of you
Makes me stop before I begin,
‘Cause I’ve got you under my skin

I would sacrifice anything come what might
for the sake of having you near
in spite of a warning voice
That comes in the night and repeats,
how it yells in my ear

Don’t you know you fool, you never turns to win
Why not use your mentality, get up, wake up to reality.
And each time I do, just the thought of you
Makes me stop just before I begin
Cause I’ve got you under my skin
Yes, I’ve got you under my skin.

Síntese da felicidade – Drummond

Desejo a você…
Fruto do mato
Cheiro de jardim
Namoro no portão
Domingo sem chuva
Segunda sem mau humor
Sábado com seu amor
Filme do Carlitos
Chope com amigos
Crônica de Rubem Braga
Viver sem inimigos
Filme antigo na TV
Ter uma pessoa especial
E que ela goste de você
Música de Tom com letra de Chico
Frango caipira em pensão do interior
Ouvir uma palavra amável
Ter uma surpresa agradável
Ver a Banda passar
Noite de lua Cheia
Rever uma velha amizade
Ter fé em Deus
Não Ter que ouvir a palavra não
Nem nunca, nem jamais e adeus.
Rir como criança
Ouvir canto de passarinho
Sarar de resfriado
Escrever um poema de Amor
Que nunca será rasgado
Formar um par ideal
Tomar banho de cachoeira
Pegar um bronzeado legal
Aprender um nova canção
Esperar alguém na estação
Queijo com goiabada
Pôr-do-Sol na roça
Uma festa
Um violão
Uma seresta
Recordar um amor antigo
Ter um ombro sempre amigo
Bater palmas de alegria
Uma tarde amena
Calçar um velho chinelo
Sentar numa velha poltrona
Tocar violão para alguém
Ouvir a chuva no telhado
Vinho branco
Bolero de Ravel
E muito carinho meu.

Coisas que a vida ensina depois dos quarenta

Amor não se implora, não se pede não se espera…
Amor se vive ou não.
Ciúmes é um sentimento inútil. Não torna ninguém fiel a você.
Animais são anjos disfarçados, mandados à terra por Deus para
mostrar ao homem o que é fidelidade.
Crianças aprendem com aquilo que você faz, não com o que você diz.
As pessoas que falam dos outros pra você, vão falar de você para os outros.
Perdoar e esquecer nos torna mais jovens.
Água é um santo remédio.
Deus inventou o choro para o homem não explodir.
Ausência de regras é uma regra que depende do bom senso.
Não existe comida ruim, existe comida mal temperada.
A criatividade caminha junto com a falta de grana.
Ser autêntico é a melhor e única forma de agradar.
Amigos de verdade nunca te abandonam.
O carinho é a melhor arma contra o ódio.
As diferenças tornam a vida mais bonita e colorida.
Há poesia em toda a criação divina.
Deus é o maior poeta de todos os tempos.
A música é a sobremesa da vida.
Acreditar, não faz de ninguém um tolo. Tolo é quem mente.
Filhos são presentes raros.
De tudo, o que fica é o seu nome e as lembranças a cerca de suas ações.
Obrigada, desculpa, por favor, são palavras mágicas, chaves que
abrem portas para uma vida melhor
O amor… Ah, o amor…
O amor quebra barreiras, une facções,
destrói preconceitos,
cura doenças…
Não há vida decente sem amor!
E é certo, quem ama, é muito amado.
E vive a vida mais alegremente…
( Artur da Távola )