Juventude: Divergência entre realidade e oportunidade

Comemorou-se em 12 de agosto o dia Mundial da Juventude e no âmbito das comemorações um movimento imenso de jovens do mundo inteiro segue rumo à Espanha, país escolhido para sediar o grande encontro global, que a cada três anos se realiza em algum lugar do mundo. Embora vinculado a Igreja católica, o movimento avançou por outros credos e há de se ressaltar que o momento é muito oportuno para trazer os jovens à mesa de discussão de temas importantes. Momento de demonstrar confiança, tolerância e estender a mão para que eles possam construir algo de novo na vida deles, que está sendo impulsionada à mudanças bruscas de comportamento, de prioridades governamentais.

—————————————–
Além da limitação financeira ou falta de
ofertas existentes, a verdade é que o
jovem está envolvido também numa
miséria cultural sem precedentes
—————————————-

Milhares de jovens com destino a Madrid e Sevilha estão tentando vencer esse momento de desânimo e encontrar respostas para suas aflições e inseguranças, nem sempre expressas pelos meios tradicionais. Mas mandam recados irados ou irônicos para quem os ignora. A maioria dos jovens que participaram das últimas manifestações, tanto na Inglaterra quanto na Síria, Israel ou Chile, dizem que estão fazendo campanha por justiça social e para mudar a abordagem dos governos nos temas relacionados à juventude, que sente-se excluída e diretamente atingida nos cortes dos governos e na falta de emprego.

Tyler Ament, diretor da Coalizão Internacional da Juventude, participou em Nova York do Encontro da ONU, que está acontecendo como parte do Ano Internacional da Juventude, sob o tema geral “Juventude:Diálogo e Compreensão Mútua” e levou uma mensagem melancólica e depois esperançosa dos jovens,que a priori se definem como sobreviventes de um horizonte escuro, para logo adiante, se comprometerem a livrarem-se do medo dos desafios e confiar num amanhã de esperança e liberdade autentica.

Não sei ao certo o que, mas algo está levando os jovens a viverem um revés de seus próprios sonhos e minha convicção é que a juventude tem um papel extremamente significativo na transformação da sociedade. Desde 1995 a ONU trabalha o Programa de Ação Mundial para a Juventude, para orientar os governos, as organizações nacionais e internacionais e para criar um ambiente favorável ao desenvolvimento do potencial jovem ao máximo. Mas mesmo assim, admitem Membros da Assembleia Geral da ONU, os jovens continuam a enfrentar muitos obstáculos e desafios que dificultam a sua transição para a idade adulta.

Há no mundo, aproximadamente 1,2 bilhão de pessoas com idades entre 15 e 24 anos e esse número deve permanecer nessa faixa até o ano 2050. Embora representem 25% da força de trabalho, os jovens desempregados somam 44% do total da população sem emprego. O resultado é que existe cerca de 125 milhões de jovens trabalhadores pobres. Os jovens ainda estão no centro da epidemia global de HIV, com 5.4 milhões de pessoas contaminadas, o que comprova a ineficiência dos sistemas disponíveis de acesso a informação para prevenir a transmissão do HIV. Também há política de saúde inadequada e serviços de apoio social insuficientes.

A América Latina abriga cerca de 100 milhões de jovens, que representam 18,5% da população da região. Aqui então, as perspectivas de vida diferem substancialmente de uma região para outra, sobretudo no que concerne as oportunidades disponíveis e prioridades. A inserção dos jovens no mercado de trabalho é um assunto atual na agenda contemporânea de debates no mundo inteiro. Não apenas pela conciliação entre trabalho e estudo, como também pela qualidade do trabalho que exercem.

No Brasil, os jovens de 15 a 24 anos totalizam 34 milhões de pessoas, destes, quase metade vive em famílias consideradas pobres, 5% considerados inativos, não estudam nem trabalham. Além da limitação financeira ou a falta de ofertas existentes, a verdade é que o jovem está envolvido também numa miséria cultural sem precedentes. O relatório da ONU sugere que se traga aos jovens novas perspectivas para o desenvolvimento de uma aliança global, que possa ampliar a plataforma de diálogo com a sociedade, estimular a produção de conhecimento e estabelecer um vínculo de respeito e princípios.

“O respeito e o amor devem se estender àqueles que pensam e operam diferentemente de nós, pois com quanto mais humanidade e amor entrarmos em seu modo de sentir, mais facilmente poderemos iniciar com eles um diálogo”, diz trecho da carta de monsenhor Maggiolini, citado por Bobbio em seu livro Elogio da Serenidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s