É assim que os amores terminam

Não é simples tampouco sem dor que admito perder você,
de vista, de pensamento; por falta de tentar, de retomar a conversa interrompida.
A escolha não feita, a mesa desfeita, a vida revirada.
É assim que os amores terminam, que as portas se fecham, que os caminhos se distanciam.
As mãos se esfregam, o olhar se perde, a cabeça pende. O vulto se distancia,
as promessas são quebradas, o sonho se encerra.
Eu sigo, você volta, nosso caminho torto transcende nossa capacidade de reinventar o amor,
que desintegrou na totalidade.
Não há o que provar. A dor e o silencio tem gosto de nada.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s