Mato Grosso está longe de ser uma grande fazenda

O ano de 2012 desponta cercado de previsões catastróficas, entre as quais o imaginário alinhamento de planetas que causaria uma reversão no campo magnético da terra, tempestades solares e a devastação da vida. A Nasa assegura que não há alinhamento planetário previsto durante o solstício de inverno em 2012. Nosso planeta tem se saído bem por mais de 4 bilhões de anos e os cientistas não sabem de nenhuma ameaça associada a dezembro do próximo ano. Então esta fábula está relacionada com um dos ciclos do calendário maia; o solstício de inverno de 2012 – daí a data do fim do mundo estar prevista para acontecer em 21 de dezembro, embora todo dezembro, a Terra e o Sol se alinham com o centro aproximado da Via Láctea e isso é um evento anual de nenhuma conseqüência.

Quanto ao nosso Mato Grosso, as previsões são extremamente otimistas, sobretudo com a recente divulgação que o Brasil alcançou o posto de sexta economia do mundo. O otimismo fica por conta de dois renomados palestrantes, o ex Ministro Dr. Mangabeira Unger, professor titular  de direito e filosofia da Universidade de Harvard e o economista e Ricardo Amorim,  economista e apresentador do programa Manhattan Connection. Formado pela USP e pós graduado em Administração e Finanças pela ESSEC de Paris, estamos realmente . Assisti as palestras de ambos no decorrer do ano e agora   parece-me oportuno traçar um paralelo entre a exposição de um e do outro e revelar as palavras encorajadoras que ouvi com referencia ao estado, nossa produção e condição no contexto do crescimento nacional.

Ricardo Amorim vê Mato Grosso se beneficiando da nova ordem econômica mundial, onde a demanda de prioridades gira em torno de alimento e biocombustível. Mato Grosso se destaca na produção de carne, algodão e soja e está garantindo espaço nos setores de maior crescimento no PIB e nos setores que aumentaram a oferta de emprego, agropecuária, comércio varejista e construção. A vocação exportadora de Mato Grosso esbarra ainda na questão da logística, que está sendo amplamente discutida e busca-se investidores para o desenvolvimento do setor.

O Dr. Mangabeira Unger defende a tese que os Estados do Centro Oeste devem equacionar rapidamente seus próprios gargalos, pois será a região que vai construir o modelo de desenvolvimento a ser seguido pelo Brasil. Devemos ampliar as oportunidades para o trabalhador aprender e assim podermos transformar as oportunidades no motor do desenvolvimento regional, sem deixar para trás a preocupação social. Ou seja, nosso desafio agora seria democratizar as oportunidades e os instrumentos da produção.

A atividade agropecuária que lidera nossa atividade econômica, segundo os dois palestrantes, não deve ser vista apenas como uma atividade rica que serve para financiar outros setores. É na agricultura que surge as novas formas de produção, que mais tarde se  generalizam para outros setores. Assim como o Brasil tem uma posição mundial fortalecida pela agricultura, Mato Grosso deve executar projetos que utilizem todas as nossas potencialidades, esse projeto deve inclusive, superar os contrastes ideológicos que ainda dividem a agricultura empresarial e a familiar.

Novamente esbarramos no paradigma de construir um moderno sistema de logistica para escoar a produção dos grãos.  Mangabeira Unger sugere que devemos superar nossa dependencia de produtos importados, que oneram substacialmente nossa produção. Exibiu dados de pesquisadores afirmando que há recursos naturais abundantes aqui, como fosfato, potássio e outros. A agricultura deve existir de forma una e a agricultura familiar deve então, ganhar contornos e atributos da agricultura empresarial, sem contudo, perder seu compromisso com a democratização das propriedades.

Mato Grosso deve investir pesado na industrialização dos bens produzidos aqui.  Longe de ser uma grande fazenda, Mato Grosso contribuiria para consolidação  de uma classe média rural forte e vibrante, com a produção dobrada, sem derrubar uma só árvore. Iniciativas propostas que dependem muito de apoio institucional dos governos, da reorganização dos sistemas de transmissão de conhecimento e de cooperação técnica. Mato Grosso aparece bem como um lugar procurado pelos investidores nacionais e internacionais, tem avançado consideravelmente na utilização de práticas ambientais sustentáveis e marcha no sentido de liderar essa revolução regional.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s