A retórica dos convencionais

O poder das idéias deveria se sobrepor ao poder econômico, mas não é e nunca foi bem assim. Não foi por acaso que o filósofo Herbert Marcuse afirmou que “na sociedade, há políticos que também se vendem, como sabonetes”.
O senso comum nos diz que um partido político deve ser capaz de definir por escrito o seu programa, defender seus princípios e selecionar seus candidatos próprios para as eleições. Os partidos políticos mais democráticos começaram a selecionar candidatos nas convenções, uma disputa interna, onde qualquer membro filiado pode declarar-se como candidato. Antigamente ouvia-se por todos os cantos: “queremos escolher um candidato que reúna o consenso dos membros do diretório do partido.”
As coisas mudaram muito e apesar de autorizadas pelo calendário eleitoral do TSE, desde 10 de junho passado, as articulações para escolher os candidatos a prefeitos, vice-prefeitos e vereadores, estão restritas a grupos de interesses e não são discutidas amiúde com os pretensos convencionais, que devem definir, inclusive se haverá coligações com outras legendas. O prazo estende-se até o próximo dia 30.
As convenções partidárias de anos atrás tinham múltiplas funções, mas a principal delas era decidir sobre a plataforma ideal do partido, a posição e afirmações pelas quais o partido se movimentava. Grandes temas eram debatidos nas convenções, que ganhavam atenção da mídia. A convenção revia as credenciais dos candidatos e selecionava aqueles com o melhor registro de trabalhar dentro dos objetivos políticos do partido. A convenção partidária poderia selecionar uma chapa de candidatos para refletir o equilíbrio geográfico da cidade, refletir a diversidade étnica e de gênero.
As pessoas criam os partidos políticos para formular idéias sobre questões sociais, se organizam para ganhar apoio para essas idéias e elegem candidatos que irão colocar esses programas em prática. No entanto, o jogo vem mudando num efeito contrário as práticas democráticas de debater idéias. O que aconteceu foi o aumento do poder econômico nas eleições. O sistema político parece estar falhando e a classe política invés de corrigir as falhas, reforça-as.
Foi numa convenção nacional que o MDB, presidido por Ulisses Guimarães, com discurso inflamado traçou o plano arrojado de surpreender o regime militar nas eleições de 1974. Do alto da convenção e do fundo do coração, Ulisses Guimarães anunciou que a caravela ia partir. Elegeu dezesseis senadores, o que mudou seriamente a correlação de forças políticas no Congresso Nacional.
É realmente possível ter eleições significativas votando em idéias políticas em vez de candidatos individuais, eliminando totalmente a personalidade das eleições.
Grandes temas da história americana foram debatidos em convenções partidárias. A convenção republicana levantou-se contra a escravidão em 1856, os democratas debateram os direitos civis em 1948 e a guerra do Vietnã em 1968.
Na maior cidade do país, a convenção do PSDB aconteceu domingo passado, dia 25, oficializando Jose Serra como candidato a prefeito na sucessão paulistana. O discurso foi pontuado por frases de efeito: “o tempo não desgasta os que lutam e a minha experiência é virtude” para logo em seguida dizer: “não venci todas as batalhas que travei, mas lutei como se fosse a última.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s