A honestidade não pode ser programa de governo

Com o início do horário político obrigatório na televisão, dia 21 de agosto passado tenho lido reclamações desalentadoras quanto ao nível cultural, falta de discernimento, falsas promessas e falta de escolaridade dos candidatos. Ao assistir os programas percebi razões de sobra para ampliar o desinteresse pelo processo eleitoral que se aproxima. Boa parte de nossos políticos contribui para esse descrédito, mas não nos esqueçamos que fomos nós que elegemos os que se candidatam à reeleição, que foi nossa omissão que permitiu que pessoas sem qualificação alguma fossem escolhidas pelos partidos. Nós, adultos, vividos e sendo levados na lábia por discursos vazios e promessas estapafúrdias.
Em Mato Grosso são 373 os candidatos a Prefeito e 10.089 vereadores. Na capital, 6 são candidatos a prefeito e 563 candidatos disputando as 25 vagas de vereadores.
Para escolher um candidato, preferencialmente busque alguém que tenha uma atuação ética, que tenha um currículo de credibilidade e respeito, pesquise sobre a experiência política. Vote consciente da sua escolha. E fique de olho depois, para poder cobrar.
A honestidade não pode ser programa de governo. É um atributo pessoal do qual deveria ser dotado todos os políticos, parte integrante de sua personalidade e de seus projetos.
Se todos nós votássemos com mais razões e menos emoção, procurando ver o que representa e quem são realmente os candidatos, o que eles fizeram e falaram no passado, certamente teríamos um Brasil melhor.
É muito importante ficar atentos porque candidatos podem ser transformados em produtos muitas vezes com uma linda embalagem por fora mas sem conteúdo algum por dentro.
Essas frases de certo efeito moral ilustram o livro coordenado pelo jornalista Gilberto Dimenstein, com a colaboração de outros nomes consagrados do jornalismo brasileiro, e cientistas políticos.
Há, é certo, preocupação grande com as mentiras e dissimulações contidas nas campanhas eleitorais brasileiras, razão pela qual, esse time saiu a campo para alertar o eleitor e dá-lhe certo balizamento de como evitar ser enganado pelo jogo de palavras e encenação.
Existem muitas questões a considerar quanto ás eleições. Escolha os seus candidatos com sabedoria. Os políticos decidem sobre questões como a política de segurança, educação, saúde, transporte, limpeza urbana e meio ambiente. Se você se preocupa com esses itens, você deve pensar bem antes de votar.
Se cada eleição nos ensina alguma coisa é que cada voto conta muito. Não podemos estar ocupados demais para participar do processo político ou simplesmente dizer que não nos sentimos atraídos por nenhum dos candidatos. O futuro da nossa cidade depende do nosso comparecimento nas urnas e a escolha não pode definitivamente ser pessoal. È uma escolha que vai refletir no futuro de 700 mil pessoas. Então a questão é racional. É uma escolha que deve ser feita baseada em critérios, que deveriam, desde sempre vigorar na escolha dos candidatos.
Votar é um direito que nem todas as pessoas do mundo tem. Ao compreender a definição de democracia, vemos muitos exemplos de como votar transmite liberdade e dá voz. Agora, posto os nomes, não fuja de nenhuma responsabilidade sua como cidadão. Cada voto tem significado, várias eleições foram decididas por um único voto.
Nós vivemos numa democracia, somos livres, mas disso depende as pessoas exercerem os seus direitos.
Certo que as decisões não são irrevogáveis. Escolhas voltam. Mas quatro anos demora muito a passar.

Kuarup – uma celebração tipicamente xinguana

A região denominada Alto Xingu, formada por 14 etnias, esteve em festa no final da semana. A aldeia Yawalapiti, onde vive o não velho, 61 anos, porém lendário líder Aritana, realizou o Kuarup ou Quarup, uma bela festa ritualística onde os indíos choram e homenageiam os mortos, numa cerimônia em que tocam, cantam e lutam o huka-huka, no encerramento da celebração. Esta cerimônia, que é tipicamente dos povos indígenas do Alto Xingu, move-se de uma aldeia para outra porque ela ocorre onde tiver acontecido a morte de algum membro importante para a comunidade. A família então, assume os preparativos.

O cacique Aritana é a mais respeitada liderança do Alto Xingu. Desde que assumiu a chefia dos Yawalapiti, há cerca de 30 anos, ele luta incansavelmente pela preservação da cultura e dos hábitos dos índios xinguanos. Esforça-se para mostrar aos jovens a importância de ser o que são: índios.

A Adeia Yawalapiti comandada por Aritana e seu filho Tapí, homenageou também Darcy Ribeiro e a família foi representada por Paulo Ribeiro, que dirige a Fundação que leva o nome do antropólogo. Darcy Ribeiro foi ministro da Educação, durante o Governo João Goulart, aos 29 anos, ministro-chefe da Casa Civil, vice-governador do Rio de Janeiro e senador da República de 1991 até sua morte, em fevereiro de 1997. Criou o Museu do Índio e a Universidade de Brasília, da qual foi o primeiro reitor e formulou o projeto de criação do Parque Indígena do Xingu.

A Aldeia Yawalapiti é toda circular, com uma praça limpa no centro, onde acontece toda festividade da Aldeia e também onde os mortos são enterrados. É também na praça que se localiza a Casa dos Homens que causa tamanha curiosidade. Uma construção igual as demais, porém com portas mais baixas. As flautas são guardadas lá dentro, presas as viga centrais. Ali mulheres não entram. Nos dias do Kuarup, a vida na aldeia não para um minuto. A atenção se volta aos guardiões da flauta que percorrem as ocas apresentando as virgens recém saídas da clausura. Como a aldeia é circular, impossível imaginar quantas voltas tenham dado nestes três dias que lá estive. As virgens dançam atrás dos guardiões e se escondem tímidas quando estes param para descansar dentro de alguma oca. Esse ritual marca a passagem da infância para vida adulta e no final, as jovens estão prontas para casarem-se.

De manhã, três troncos fixados debaixo de uma tenda começam a ser enfeitados. Ao redor deles sentam-se os familiares dos mortos. Choram por algum tempo. Depois acalmam-se. A Aldeia retorna a rotina. Quando o sol começa a se pôr o ritual reinicia no centro da aldeia. Os familiares dos mortos se reúnem, choram copiosamente, acendem tres fogueiras, ao redor das quais, entoam cantos e dançam toda a madrugada. Aos poucos vão chegando indígenas de outras etnias, a chegada é saudada com gritos. Eles acampam na mata, um pouco distante do centro da Aldeia Yawalapiti.

Ao amanhecer de domingo é dia da esperada luta huka-huka. Os guerreiros untam os corpos com óleo, pasta de urucum e pequi. Vi alguns que se submeteram a arranhões feitos nos braços e pernas com dentes de peixes para aumentar a força. Os Yawalapiti estão confiantes no guerreiro Leo, um jovem que se destacou, porque se preparou intensamente para o embate. Não perde uma luta! São mais de duas horas de lutas. Por volta do meio-dia, os troncos ornamentados são depositados no rio. É o fim da cerimônia.

Eu Te Amo (Julian Lennon)

I love you means that I accept you for the person that you are
And I don´t wish to change you into someone else.
It means that I do not expect perfection from you just as you do not
Expect it from me.
It means that I will love you and stand by you even through the worst of times,
It means loving you you even when you are in a bad mood or too tired to
Do the things I want to do.
It means loving you when you are down and not just when you are fun to be with,
I love you means that I know your deepest secrets and do not judge you for them,
Asking in return that you don´t judge me for mine.
It means that I care enough to fight for what we have
And I love enough not to let go.
It means thinking of you, dreaming of you,
Wanting and needing you constantly
And hoping that you feel the same way for me.

Tradução livre do belo poema de Julian Lennon

Eu te amo significa que eu aceito você pela pessoa que você é
E que eu não desejo transformar você em nenhuma outra pessoa.
Isto significa que eu não espero perfeição de você
Assim como você não deve esperar de mim
Isto significa que eu amarei você e apoiarei você até nos piores momentos,
Isto significa que eu amarei você quando você estiver de mau humor ou
Muito cansada para fazer as coisas que eu quero.
Isto significa amar você quando você estiver triste e não apenas
Quando for agradável ficar com você.

Eu te amo significa que eu conheço seus mais profundos segredos
E não te julgo por eles
E peço em troca apenas que você não me julgue pelos meus.
Isto significa que eu me importo o suficiente para lutar pelo que temos
E que eu amo o suficiente para não deixar acabar.
Isto significa pensar em você, sonhar com você,
Querer e precisar de você constantemente
E espero que você sinta o mesmo por mim.

Os ciclos da vida do homem contemporâneo

A vida do homem pode ser de curta ou longa, dependendo das circunstâncias e do mundo perigoso onde ele vive. Se pressupomos que a idade média do indivíduo é de cerca de 75 anos, o tempo de vida pode ser dividido em vários momentos desde o nascimento até o fim da vida. A cada ciclo da vida, a idade é um fator determinante para a atividade intelectual. Dos 18 aos 25 anos a educação é reforçada e o cérebro é bombardeado com a aprendizagem de várias competências que respondem as curiosidades e que seguramente facilitarão a entrada na próxima fase da vida.
Dos 30 aos 50 anos somos envolvidos na estruturação da vida pessoal e profissional e muitas vezes a uma velocidade vertiginosa e sem muito cuidado com o corpo ou inspiração espiritual. É um momento crucial onde nos tornamos escravos de nossas próprias ambições, com a vida demasiadamente atribulada e os meios utilizados para alcançar os resultados nem sempre levam em consideração o estado da alma, que no processo tende a ser esquecida. Todavia, analisando a máquina humana, estes são os anos que precisaríamos de mais cuidado para apoiarmos os próprios sonhos, precisaríamos dar a nós mesmos permissão para nos estabelecermos como prioridade. Seria a hora de viver o que nos faria verdadeiramente felizes e realizados.
Entretanto estudos apontam que a virada hoje ocorre na maioria das vezes dos 50 aos 60 anos e então é uma viagem alucinada, por razões diversas que incluem tudo, desde a pressa de se viver o que não pode, o trabalho, vida difícil, consumo exagerado de bebidas alcoólicas, o divórcio e problemas econômicos. Esse desafio de enfrentar julgamentos e retomar a vida não se aprende na escola. A falha do corpo e da alma humana gera um processo difícil de juntar os elementos básicos, dar-lhes novamente função, ouvindo os sinais vitais do corpo, num processo de preenchimento do buraco espiritual, deixado pela angústia diante das escolhas que são feitas a cada dia pelo homem.
Nunca é tarde e a qualquer tempo o homem deve iniciar ou reiniciar a construção de sua existência. Sorte que o homem não nasce com comportamento acabado e por isso pode ser recuperado, tanto física quanto mentalmente, desde que o próprio corpo, alma e mente descartem os preconceitos e busquem a interação para uma vida mais proveitosa e gratificante, como um bilhete na mão para assistir a um grande espetáculo sobre novas crenças e hábitos que por anos foram bloqueados pelo ego.
O dinheiro, sem dúvida é a força que move quase tudo o que fazemos no mundo civilizado, mas o nosso crescimento não precisa ser igual em riqueza financeira e riqueza interior. É preciso retomar o equilíbrio que esvaiu-se, que tornou impossível a missão de conciliar a realização dos sonhos, equilibrar-se em relacionamentos, estabelecer fronteiras, encontrar paz de espírito, saúde e segurança financeira. Mergulhar em si mesmo significa assumir as escolhas feitas e principalmente vive-las de modo intenso de forma que exista libertação de tudo que oprime.
Vê-se agora que a felicidade não é acidental, as ações tem efeitos cumulativos. Todavia “é preciso começar pelo mais escuro, buscar o vazio, e o negro, e o nu, e chegar progressivamente a luz”. Comte-Sponville (1997, p.13).

Os discursos dos homens austeros

O dicionário define austero como severo, duro e uma pessoa austera é alguém dotado de rígido comportamento e modo de vida sem conforto exagerado ou luxo. E se estendêssemos o significado a algo racional, um comportamento que beneficiaria nosso modo de vida, em vez de arruiná-lo, um comportamento que não trouxesse sacrifício, mas o entendimento de viver dentro de padrões de uma moral verdadeira?
A história mostra que os tempos austeros podem ter a capacidade de transformar as pessoas e as nações. Esparta, cidade-estado da Grécia antiga, tornou-se famosa pelo poderio militar de seus cidadãos através do seu modo austero de vida. Do nome desta cidade, a palavra “espartano” evoluiu e ainda hoje é usada para conotar abnegação. A austeridade é provavelmente uma palavra que poucos pronunciam num contexto positivo; está inexoravelmente associada principalmente com o pessimismo econômico, com a perda do padrão de vida, sem qualquer objetivo de compensação à vista.
Mas há outro tipo de austeridade que hoje aqui exploro. A austeridade nos gestos, nos discursos políticos, a privação do sorriso, do abraço apertado, da esperança nos palanques. Os discursos inflamados, ainda remetem a mágoas passadas, os homens austeros sobem nos palanques inspirados pelo desejo de revanche e não olham nos olhinhos espremidos do que lá embaixo clamam por um afago, por uma palavra que lhes traga alento. Engraçado como esses homens(e mulheres) conversam entre si nos discursos.
O povo, ah o povo! Esqueceram-se de falar com o povo. É por isso as urnas trazem surpresas, não para o povo, mas para os homens de palavras austeras, prometem cortar gastos, enxugar a máquina, que incontáveis vezes falam de seus projetos, mostram seus amigos, exibem força política. Mas e você que foi ao comício ou reunião política, como preferir, só para ouvir que sua vida vai melhorar, que seus filhos serão transformados em cidadãos dignos pela educação de qualidade que os alimenta e ensina enquanto você trabalha. Não viram você lá?
A alegria, a transmissão da esperança, o diálogo, a troca de carinho podem estar em cima de qualquer palanque e isso não comprometeria o rigor e a seriedade da campanha. Os homens de virtude serena não são fracos, embora isso lhes conceda pouca glória. Mas creia-me é possível adotar o agir político, cujo critério principal não seja apenas a conquista do poder em si. É a outra face da política, é deixar aflorar as virtudes elevadas da gentileza, da prudência, da honestidade, da temperança, da alegria, da tranquilidade e da boa educação. Abaixa-te e escuta o que te dizem.
As medidas de austeridade devem ser deixadas a esfera econômica, onde tem potencial positivo para reduzir o consumo excessivo e levar as pessoas a pensar com mais criatividade sobre o futuro, fazer escolhas de novos estilos de vida, abrindo mão de atividades não-essenciais que permeiam a vida moderna.
Políticamente as virtudes não precisam ser diagnosticadas fracas ou fortes. Nenhuma virtude renega a simplicidade e a tolerância. Há controvérsias, mas eu li e aprecio a teoria de que a base que sustenta uma boa república, mais até do que as boas leis, é a virtude dos seus cidadãos.