Por que culpar os outros?

Na cultura política os líderes modernos estão menos dispostos a admitir a falibilidade. Não assumem culpas e dizem sempre que “erros foram cometidos”, de forma aleatória, passiva e distanciada do reconhecimento do erro. Os políticos tem seus bodes expiatórios, sobre quem recai as culpas para dar aos governos a liberdade de agir de determinadas maneiras.

Nos governos há o que se descreve como a cultura de culpar os outros para evitar assumir a responsabilidade por atos falhos. Estamos nos acostumando a categorizar, estigmatizar e colocar a culpa nos outros. Há muitas teorias sobre porque temos essa tendência de transferir culpas e parece que isso é algo intrínseco do nosso ser por medo do castigo. Nós desenvolvemos essa habilidade de culpar os outros muito cedo. Assim desde criança usamos o refrão “foi ele quem começou”, já passando a responsabilidade para outra criança. Na vida adulta, os casais se culpam mutuamente pela infelicidade, pela infidelidade não para terminarem o casamento, mas para dar-lhe sobrevida artificial.

Os erros e sofrimento são partes inevitáveis da vida. Entre nascer e morrer os homens lutam para permanecer vivos. O corpo físico é exposto a perigos constantes; a fome, violência, acidentes, envelhecimento e morte são os mais eminentes. E sofremos de dentro para fora ao considerar as forças naturais que nos ameaçam.

Pessoas gemem, reclamam e inventam desculpas por não terem amigos, por não conseguirem acumular dinheiro, por não serem promovidas e amadas. Todos os infortúnios são causados por ação de terceiros. Algumas, não poucas pessoas gostam desse artifício de posar de vítima. Assim é mais fácil aceitar as próprias limitações, os desvios do curso natural da vida. Enquanto a verdade recai nas escolhas, na  responsabilidade. Tudo o que fazemos é porque decidimos fazer isso em vez daquilo.

Há uma diferença entre ser vítima e ter uma mentalidade de vítima. Muitas pessoas são vítimas de terríveis experiências, provas e traumas físico, sexual e emocional. Fazer-se de vítima é diferente e ocorre sobretudo quando em vez de assumir responsabilidades, o poder da tomada de decisão é transferido a outros. A mentalidade de vítima é aquela em que culpa-se os outros para sentir alívio e se nunca a culpa lhe recai, tampouco a responsabilidade lhe pode ser cobrada. Vai ser sempre a vítima e esse círculo vicioso levam as vítimas a imputarem culpas às suas famílias por falta de apoio ou alegam que a família negligencia atenção e cuidado ou mesmo que influencia negativamente suas vidas.

Muitas pessoas simplesmente se acomodam nessa condição, porque rende-lhes atenção, foco, comentários bajuladores; “como é triste você ter que passar por tudo isso, como é terrível que tenha sido tratado dessa maneira, você não merece isso”! As pessoas em volta desenvolvem um sentimento de validação dessa hipocrisia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s