Quando exemplos falam mais alto que as palavras

Ser gentil nos faz tão bem quanto ser alvo de uma gentileza

É errôneo pensar que as crianças não observam o mundo dos adultos; as crianças podem mostrar sinais de empatia e preocupação desde uma idade muito precoce. Eles reagem com preocupação quando veem infelicidade, querendo ajudar ou corrigir o problema.

Em leitura acurada sobre o tema, li estudos recentes que enfatizam a importância do pai deixar que seus filhos saibam o quanto significa que eles se comportam com bondade e responsabilidade. Quando você vê seu filho fazendo algo que você acha que é impensado ou cruel, diga de imediato que você não quer que ele faça isso, fale com firmeza e honestidade. Esta reação emocional precisa ser acompanhada pela explicação do por que você desaprova a atitude. Seja franco, honesto e aberto com seus filhos; a ideia é ensiná-los, não fazê-los sentirem-se culpados.
Vale lembrar a antiga crença de que os exemplos falam mais alto que as palavras.

“O Poder da Gentileza” é um livro do escritor italiano Piero Ferrucci, prefaciado por Dalai Lama, que traça um argumento poderoso para a bondade como uma forma de conduta. Ferrucci vê o declínio da gentileza e bondade todos os dias e chama isso de “resfriamento global” e relaciona-se com o ritmo que segue a vida moderna. Argumenta que as pessoas gentis e amáveis estão destinadas a viver uma vida muito mais interessante e gratificante do que aqueles que não têm essa qualidade. Estes estão muito melhores equipados para enfrentar a vida em toda a sua imprevisibilidade selvagem e precariedade assustadora. Completa dizendo que as pessoas gentis são mais resistentes e mais capazes de recuperar das vicissitudes da vida.

Ao longo dos capítulos do livro, o autor apresenta os vários aspectos da bondade: honestidade, carinho, perdão, contato, sensação de pertencimento, confiança, atenção, empatia, humildade, paciência, generosidade, respeito, flexibilidade, lealdade, gratidão e alegria. O escritor vai contando deliciosos contos da mitologia grega, do folclore, romances modernos, do cinema italiano, contos populares africanos. No capítulo dedicado a alegria, há distinção útil entre duas noções de felicidade. A primeira é a abordagem hedonista, que trata a felicidade como prazer máximo, com o mínimo de dor. O segundo é eudemonista; a felicidade como fundamento e objetivo da vida. A bondade é a fonte da qual flui tantas outras qualidades positivas, como perdão, honestidade, paciência e generosidade.

A experiência mostra que há apenas uma maneira confiável de transmitir bondade para a próxima geração; sendo exemplo, mostrando a gentileza e bondade, não como um evento especial ou como um momento de ensinamento, mas como atitude diária, parte do dia-a-dia, fazendo as coisas boas sem alarde. Os pequenos olhinhos vão ver, copiar e compreender. Se você demonstra constantemente carinho e compaixão, é mais provável que seus filhos vão ser também assim. As crianças assistem a seus pais e outros adultos em busca de pistas sobre como se comportar.

O que mais inspira uma criança a se importar com os outros é o cuidado que ela recebe. Especialistas afirmam que quando as crianças sentem que têm uma base segura em casa, elas são mais propensos a se aventurar e prestar atenção aos outros. Fico pensando que obra prima é o homem, na razão, na forma. Só falta-lhe mesmo abraçar seus filhos e ensinar-lhes que é imensamente importante que tentemos fazer de nossas vidas, algo positivo. Definitivamente não nascemos para ser motivo de aflição ou prejudicar as pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s