Lenda Africana “De quando o leão podia voar”

O leão, segundo se conta, tinha a capacidade de voar, e naquele tempo nada escapava dele.  Como ele não queria que os ossos de suas presas fossem quebrados em pedaços, ele fez com que um par de corvos brancos vigiasse os ossos, deixando-os para trás no seu covil, enquanto ele ia para a caça.

Mas um dia Sapo Grande foi até lá, e quebrou todos os ossos em pedaços, e disse: “Por que os homens e animais não podem viver muito?” E acrescentou estas palavras: “Quando ele vier, diga a ele que eu vivo naquele lago, se ele quiser me ver, ele deve vir aí.”

O Leão estava caçando na floresta, e quis voar, mas ele descobriu que não podia mais voar. Então ele ficou com raiva, pensando que alguma coisa estava errada no seu covil  e voltou para casa. Quando lá chegou, ele perguntou: “O que você fez para que eu não voasse?” Então os corvos disseram: “Alguém veio aqui, quebrou os ossos em pedaços, e disse: “Se ele me quiser, ele pode procurar por mim naquele lago lá longe!”

O Leão se foi, e chegou quando sapo estava sentado na margem, e ele tentou saltar furtivamente em cima dele. Quando ele estava prestes a pegá-lo, o Grande Sapo disse: “Ah!” e mergulhou, foi até o outro lado e sentou-se lá. O Leão o perseguiu, mas como ele não conseguiu,  ele voltou para casa.

A partir desse dia, se diz, o Leão caminhou somente sobre seus pés, e também começou a se arrastar (quando espreitava e caçava), e os Corvos Brancos tornaram-se totalmente mudos desde o dia em que disseram: “Nada pode ser dito sobre esse assunto.”

Se os tubarões fossem homens

Propus-me a esmiuçar um delicioso texto de Bertold Brecht (1898-1956), escritor e dramaturgo alemão, conhecido por seus escritos contendo críticas sociais e por sua ideologia comunista que alimentou não só a sua perspectiva de vida, mas também sua vasta obra literária.

No texto, uma garotinha pergunta ao Sr. Keuner: “Se os tubarões fossem homens, eles seriam bons para os peixinhos?” O Senhor K. diz que sim, que os tubarões construiriam caixas enormes no mar onde os peixinhos deveriam morar. Lá haveria comida, plantas, diversão e teriam toda assistência. Se um peixinho fosse ferido ou ficasse doente, seria enfaixado e cuidado e não morreria prematuramente porque os tubarões não gostam de comer pedaços pequenos de carne.

Haveria animados festivais aquáticos, teatros e orquestra, para que os peixinhos nunca ficassem tristes. E a música tocaria, exaustivamente para induzir os peixinhos agitados e lépidos a nadarem até a jaula dos tubarões. O gosto da carne de um peixinho feliz é mais deleitável do que de um peixe nostálgico.

Os professores ensinariam aos peixinhos que a educação pode ser uma forma de adestrar as massas a obedecer aos seus superiores e acreditar que estes, lhes prevêem um futuro bonito. Por isso, para a formação moral dos peixinhos, eles teriam aulas de educação moral e cívica, e seriam ensinados que a mais bela coisa do mundo é dar-se ao sacrifício por ideais superiores.

Na geografia, aprenderiam a localizar os espaços, para que nadassem exatamente na direção dos tubarões insaciáveis. Mas religiosos, os peixinhos cumpririam as suas sinas e marchariam alegremente em direção aos tubarões vorazes, porque eles acreditam que ser comido por um tubarão no momento certo é uma coisa sagrada e na barriga do tubarão eles encontrariam o paraíso.

Se os tubarões fossem homens, claro que haveria guerra no fundo do mar e os peixinhos que matassem o maior número de seguidores do tubarão inimigo, seriam condecorados. Se os tubarões fossem homens, acabaria a igualdade entre os peixinhos. À alguns seriam dadas posições superiores, poderes, arbítrios. E estes poderiam inclusive, devorar os peixes menores.

Esta história curtíssima, adornada alegoricamente, aponta o dedo para as relações de poder, carregadas de obediência e subserviência em vez de liberdade crítica, de negação e diálogo. Os tubarões do mar e da terra são temidos pelo instinto predador e pela voracidade e se o cenário se assemelha ao que vivemos hoje, não é mera coincidência. No livro As histórias do Sr. Keuner, Brecht retrata a condição humana em várias circunstâncias, ainda atuais. Agora os peixinhos, submissos ou fanáticos estão em toda parte.

O que o Senhor K. não disse, eu sonhadora, posso criar. Eu diria que entre os peixinhos, haveria alguns que ansiariam pelo direito à liberdade e por serem criaturas melhores. Estes peixinhos liderariam uma rebelião, abririam todas as caixas do fundo do mar e então haveria luta pelo estabelecimento de uma nova cultura, onde não se imaginaria os peixinhos em nenhuma condição outra, senão peixinhos livres para escolherem seus destinos.

Ser ponte

Alguns roubam para si pedaços do meu universo, devolvem-me partes que não são minhas. Começa o devaneio. Sinto tremores que não são características dos meus medos, sinto fome e não alimento-me do que sacia a alma, sinto fé em deuses estranhos, sigo caminhos tortuosos que abandonam-me ao meio. A invasão do mundo alheio causa essa incerteza de identidade. Agora, canto cantos tristes, lúgubres, o sorriso alheio e indefinido acusa-te de causar a maledicência e o torpor.
O colapso das coisas ruins, que atiram estilhaços distantes, não quero. Deixa-me à minha nugacidade se assim me vês; enquanto procuro repercutir no universo a tendência de querer acreditar, de nutir-me do poder que ascende da autenticidade ou verdade. Deixa-me a paz de refugiar no universo que antes cabia-me a mim e minha fé. Deixa, que eu me estenda para ser caminho, para ser ponte, para ser o que for, desde que bondade!

Não sei quem sou

mulher no fundo do rio
Não sei quem sou, que alma tenho.
Quando falo com sinceridade não sei com que sinceridade falo. Sou variamente outro do que um eu que não sei se existe (se é esses outros).
Sinto crenças que não tenho. Enlevam-me ânsias que repudio. A minha perpétua atenção sobre mim perpetuamente me aponta traições de alma a um carácter que talvez eu não tenha, nem ela julga que eu tenho.
Sinto-me múltiplo. Sou como um quarto com inúmeros espelhos fantásticos que torcem para reflexões falsas uma única anterior realidade que não está em nenhuma e está em todas.
Como o panteísta se sente árvore [?] e até a flor, eu sinto-me vários seres. Sinto-me viver vidas alheias, em mim, incompletamente, como se o meu ser participasse de todos os homens, incompletamente de cada [?], por uma suma de não-eus sintetizados num eu postiço.
Fernando Pessoa, “Páginas Íntimas e de Auto-Interpretação.