Somos filhos do mesmo pai?

As migrações, desde a Idade Média, tem afetado toda sorte de indivíduos que procuram proteção dentro dos muros das cidades. O movimento de pessoas e migração dos povos tem sido expressa de várias formas nos séculos XX e XXI; são trabalhadores, refugiados, perseguidos, indivíduos desempregados, buscando melhores condições e colocações no trabalho e na sociedade. Atravessam nações, continentes, culturas e contradições, numa viagem mitigada pela esperança e medo. Embrenham-se numa travessia cara e insegura, para oferecer mão de obra pouco qualificada, para serem considerados classe de “pessoas perigosas”, para serem humilhados e ignorados em muitos destinos.
São milhares de pessoas que movem-se em todas as direções. São migrantes, imigrantes, emigrantes, retirantes, seres errantes. São irmãos, que compartilham a travessia, com as inquietações que afligem toda tragédia errática. A grande maioria castigados já são em seus cotidianos e agora levados pelo destino, mesclam suas carências com esperança, são tangidos pela incompreensão dos que não conseguem enxergar além de seus muros.
“Rocco e seus irmãos” é um belo filme de Luchino Visconti, que narra a saga de uma família Italiana pobre, do campo, que migra para a moderna Milão, buscando condições melhores de vida. Tentam manter-se unidos na assustadora cidade grande, porém não conseguem evitar que o dinheiro fácil, a traição, a ganância seja o palco das tensões que modifica e deteriora os laços familiares entre a mãe viúva e seus quatro filhos.
A família Parondi é abrigada em um cortiço e vive de pequenos bicos, como retirar neve das ruas. Porem, apesar da vida dura e das vicissitudes, os Parondi agarram-se às oportunidades, determinados a vencer. Rocco une-se ao exército e ajuda os irmãos a conseguirem trabalhos na Milão, que está um canteiro de obras, recuperando-se da destruição causada pela Segunda Guerra Mundial. A família Parondi acaba sendo vítima da prostituição, do dinheiro sujo, dos heróis descartáveis de fama instantânea e o desvirtuamento de um dos irmãos, ocasiona a desagregação da família que depende da intervenção de Rocco para salvar o que resta nos escombros sentimentais.
Assim como a família Parondi, retratada no filme de Luchino Visconti, muitas famílias haitianas são abatidas pela tragédia dos relacionamentos que se perdem na distância e no tempo da separação. No longo prazo, entretanto, povos e raças que vivem juntos, compartilhando a mesma economia, inevitavelmente se cruzam e desta forma, as relações que eram apenas de cooperação e economia, tornam-se social e cultural. A maioria dos haitianos vem de pequenas cidades. Cuiaba, parece-lhes grande e bruta e estão cientes que será muito difícil ascender socialmente, trabalhando na construção civil, enfrentando a tensão do idioma, das práticas religiosas, da desconfiança, do preconceito.
Assim, os haitianos, homens marginais vivem seus dilemas. Uns se adaptarão, aprenderão a conhecer seus direitos, cumprir com seus deveres, outros desistirão e farão de volta aquele caminho que parecia não ter volta. Nada foi feito para facilitar a vida dos que escolheram ficar em Cuiabá, nenhuma política pública voltada as necessidades dos haitianos foi implantada.
Talvez não falte trabalho, se continuarem não importando-se em ignorar suas ambições, se continuarem levantando paredes falando quatro idiomas. Crescer? O migrante sabe que é inevitável, embora indesejável, que aceite qualquer ocupação nesse estágio transitório. Só que o que é transitório não pode levar tanto tempo.
Entretanto não se vive apenas de emprego e estamos falando da vida em geral, da aceitação, da vida social, do amparo legal, das oportunidades de crescer, de trazer as famílias, de se firmarem como indivíduos na sociedade cuiabana e mato-grossense. Nessa complexa teia é preciso trabalhar políticas públicas que contemplem os estrangeiros, os estranhos, os diferentes; no sentido de facilitar a assimilação, a integração dos imigrantes com o povo local. Creio que os governos devem proporcionar aos migrantes a efetivação de um sistema de igualdade de direitos civis, políticos e sociais, dentro dos padrões oferecidos aos grupos nacionais.
Se somos, como muitos creem filhos do mesmo pai, não devemos ter fronteiras a nos separar ou a nos jogar um contra o outro. É disso que falo, de recriar laços solidários entre os povos e essa questão do acolhimento aos migrantes, remete-me a uma frase de Dom Hélder Câmara, “Quando ajudou os pobres dizem que sou santo, quando falo das causas das injustiças, dizem que sou comunista.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s