Os 100 primeiros dias de Roosevelt

“Então, primeiro de tudo, deixe-me afirmar a minha firme convicção de que a única coisa que temos a temer é o próprio medo”. Com essa frase proferida no discurso de posse em 4 de março de 1933, Franklin Delano Roosevelt, ofereceu aos Estado Unidos, mais do que um novo acordo, uma nova forma de pensar.
Roosevelt tinha que agir rápido. Os EUA estavam enfrentando a maior crise desde a Guerra Civil. O custo da depressão industrial era gigantesco, com bancos e empresas quebrando, trabalhadores ameaçados e falta de moradia. Assim começou o turbilhão dos cem dias.
Uma trégua pedida ao Congresso e ao povo, para reorganizar a economia e as políticas sociais, sob nova filosofia da Administração Nacional de Recuperação, no sentido de não estimular a produção de mais bens e sim, administrar melhor os recursos que tinham em mãos.
E uma quantidade surpreendente de ideias e ações começaram a chegar a partir da Casa Branca. Em seus primeiros 100 dias, Roosevelt encaminhou e conseguiu aprovação de 16 peças legislativas importantes, lançou programas de retomada e expansão de obras públicas e garantiu benefícios aos trabalhadores e assistiu os desempregados.
Roosevelt foi generosamente beneficiado pelas circunstâncias. Após quatro anos à deriva sob o desastroso mandato do 31º presidente, um engenheiro de nome Herbert Hoover, (1929- 1933), o país clamava desesperadamente por ação, e Roosevelt, do alto da esmagadora maioria dos votos que obtivera, podia, de fato, iniciar qualquer projeto no âmbito de governo, que teria aceitação popular e aprovação dos deputados e senadores.
Habilidoso, ele capitalizou o momento. E de forma vigorosa, começou a trabalhar o projeto de recuperação nacional. Roosevelt induziu o Congresso a aprovar todas as emendas importantes; financiou programas de compensação de desemprego dos Estados esmagados pela depressão; ofertou empregos em projetos dirigidos pelo governo federal em reflorestamento, construção de estradas e aeroportos para milhares de jovens.
Sob a generosidade do governo, as instituições financeiras, os proprietários e agricultores, foram ajudados pelas leis emergenciais que previam o refinanciamento de dívidas ou contratação de novos empréstimos. Os preços da produção agrícola foram estabilizados com medida de limitação de culturas e subsídio do governo.
Criou unidades de conservação para proteger os recursos naturais; saneou as empresas das estradas de ferro; conseguiu apoio de industriais para limitar o número de horas de trabalho, aumentar os salários, parar a contratação de crianças e melhorar as condições de trabalho. Roosevelt reconheceu os direitos dos sindicatos, manifestou inclusive que a reativação da indústria não se daria sem alguma assistência governamental e benefícios maiores aos trabalhadores.
Alguns críticos contudo, dizem que Roosevelt poderia e deveria ter movido mais para a esquerda, e que alguns dos seus programas ficaram abaixo do que ele mesmo pregara devido a algumas escolhas de métodos tradicionais de obter sucesso e aprovação do seu governo, muito embora a imprensa americana à época, dizia que a administração de Roosevelt se diferenciava de outras, sobretudo porque os programas adotados não eram de defesa e sim, voltados ao ataque.
Jornalistas reconheciam que houvia uma expansão dos limites da atuação do governo em todas as áreas, com forte indícios de favorecimento à construção da riqueza de baixo para cima.
Parece difícil definir os primeiros 100 dias do governo de Roosevelt, pois além de qualquer medida governamental, ele ofereceu a esperança e sua presença tranquilizadora nos lares americanos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s