Flores do mal

Baudelaire, um dos maiores poetas do final do século 19, graças à sua genialidade com as palavras, escreveu em 1857 o livro as Flores do mal. O livro foi mal compreendido, proibido e recolhido. Em 1861 volta em segunda edição, com quadros da vida cotidiana de cidadãos marginalizados na Paris moderna, e a vida é colocada como cena melancólica, dolorosa e difícil.

A beleza em Baudelaire não combina com a normalidade e a modernidade não era primariamente uma designação para um período histórico. Era uma aspiração estética, uma vida voltada para a superficialidade, para a aparência e valores volúveis.

A poesia de Baudelaire exprime igualmente essas convulsões e angústias que assaltam os corações em todos os tempos. Eis a relação da sua poesia, na aparência tão sofisticada, com a vida de sentidos despedaçados.

O poema de abertura do livro Flores do Mal oferece provavelmente o retrato mais aterrorizante da versão do tédio, da tristeza. Ele afirma que, de todos os males, talvez seja, a tristeza, o mais vil de todos. Em contraste com outros sentimentos, a tristeza não faz alarde, não dói no peito, não chama a atenção para si.

Lentamente faz sucumbir a preciosa vontade de reagir. A partir daqui, os limites normais são apagados e as vítimas, quando podem saem em busca de algo para sentirem-se vivas. O céu é negro e torna o dia mais escuro que a própria noite. O abraço que envolve a todos, pode indicar a condição de estrangulamento. Dias e noites igualam-se. Em dias assim, tão obscuros, a esperança parece minguar e o futuro é inalcançável.

Provocativo, Baudelaire avança a partir dos retratos chocantes da tristeza como um monstro, que requer um tipo diferente de luta, onde a falta de vontade de viver é representada como um componente interno de uma vida criativa, que gira fora de si, num presente fugaz e futuro irrealizável.

A vida entristecida é tão apenas a personificação da morte em vida. Ao mostrar a degradação causada pela modernidade, pela frugalidade, ele mesmo passageiro de uma viagem efêmera, demonstra riqueza ao conseguir unir à degradação interior à figura do belo.

Baudelaire escreveu sobre um tempo em que não há esperança, sobre um tempo em que não se pode recriar a liberdade, sobre um tempo em que a tentativa de reconstruir uma vida justa lateja em dor. Tão contemporâneo!

Artigos e discursos sobre a tristeza, a perda da vontade de viver, tem ganhado grande audiência, no entanto estamos assombrados com este tema que assinala a entrada em um mundo de possibilidades inexploradas. E a alma é uma coisa tão frágil e impalpável, que muitas vezes é tapeada pelo mal, que vem suavemente travestido em flor.

Baudelaire, ele próprio, um homem angustiado e melancólico. Boêmio desde os 18 anos, Baudelaire vive um período exatamente nas ruas, apaixona-se por uma prostituta, contrai doenças, perde-se e morre aos 46 anos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s