Por que haveria de ter mais?

Quando muito, no ápice da gula

Quero sempre tão pouco.

Aprendi a conter, a contar, a acalmar

a compartilhar, dividir e exibir

o que a mim cabe.

Parece pouco? Por que haveria de ter mais?

Imprevidente ou descuidada

Por todos os motivos que eu possa alegar

Mais do que isso seria desperdício

Seria alimentar o vício

De querer o que não cabe, não serve mais.

Vida enxuta, sem sobras

De mágoas, solidão, ansiedade.

Quando muito, no ápice da gula

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s