Como as pessoas se tornam monstros?

Red-Queen-alice-in-wonderland-2009-7296677-500-323Esta pergunta tem sido feita amiúde e intermitente por filósofos, psicólogos e sociólogos por séculos. É ficção e simplismo pensar que pessoas privilegiadas estão impermeáveis do lado do bem e os outros, do lado do mal.

A linha entre o bem e o mal é, para todos os efeitos, permeável e móvel, no sentido que pessoas boas podem ser seduzidas a exercer o mal e pessoas ruins podem se regenerar.

Teoricamente, não somos nem bons nem maus, mas uma complexa personalidade que age de acordo com a circunstância. É infinita a capacidade da mente humana de se tornar o que quer que seja: gentil ou cruel, compassivo ou indiferente, criativo ou destrutivo.

Isso define o contexto para a compreensão dos seres humanos que são transformados de pessoas comuns e boas em perpetradores do mal. Segundo os estudos e a tese do Dr. Stanley Milgram,1963 e transformada no filme “O Experimento”, de 2015, o mal é encomendado intencionalmente por quem tem poder e praticado pelos que devotam obediência cega à autoridade.

O estudo comprova ainda que o sistema cria as situações que corrompem os indivíduos e o sistema é a estrutura legal, política, econômica e culturalonde o poder fabrica os indivíduos ruins ou torna as pessoas comuns em agentes destrutivos, quando estes não possuem recursos necessários para resistir a sedução da autoridade.

O estudo de campo dividiu pessoas em 16 grupos em diferentes ambientes de trabalho. Um voluntário apresentava-se para participar da experiência, sem saber que seria avaliado na sua capacidade de obedecer irrefletidamente as ordens. Era colocado no comando de uma falsa máquina de dar choques, com fios ligados a um ator contratado, que fingia-se de voluntário.

O voluntário era instruído pela autoridade e dava uma tarefa para o ator e se este acertava, ganhava prêmio em dinheiro, se errava, a autoridade ordenava que apertasse o botão de choque.  O mal começava com o botão de 15 volts, o segundo erro mais 15 volts até o último de 450 volts. Mesmo crendo que os choques eram verdadeiros, os voluntários, que trabalhavam próximos da autoridade que lhe dava as ordens, poucas vezes se recusavam a cumprí-la.

O estudo foi apresentado no viés da mão pesada das autoridades institucionais e privadas, para influenciar o comportamento do indivíduo e o resultado chocou a comunidade dos pesquisadores americanos, pois poucas pessoas se rebelaram a cumprir a ordem de dar o choque e nenhuma diferença foi constatada entre homens e mulheres.

Portanto, Milgram quantificou o mal como a propensão das pessoas a obedecer cegamente à autoridade, a ir até o fim cumprindo ordens, mesmo quando estas podem proporcionar dor.

A obediência cega à autoridade começa com a desumanização do outro, com o conformismo, falta de senso crítico ao cumprimento das regras estabelecidas e pela tolerância passiva ao mal ou indiferença. Transportando a Experiência de Milgram para os males praticados em nome de autoridades brasileiras, que culminaram com a operação Lava Jato, por exemplo, que completa três anos de investigações, prisões e delações, não há negar que o mal está impregnado no sistema e serve-se das autoridades políticas e empresariais vaidosas e gananciosas que exercem o poder com ilimitada ascendência sobre as pessoas comuns.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s