Notícias falsas

Não devemos ficar surpresos com as pautas que avançam na mídia, sem comprometimento algum com a verdade. A atmosfera de suspeita e insegurança criada pela disseminação de notícias exageradas ou falsas proporciona o ambiente perfeito para a estupenda atrapalhada de comunicação que envolveu a operação “Carne Fraca”.

Senti-me incomodada com tanta desinformação que prestei-me ao serviço de reproduzir explicações sérias sobre o assunto.

Pois bem, domingo passado fui visitar minha mãe e como sempre faço, levei-lhe o agrado domingueiro: comida pronta. Incrédula, ela não se conteve: “não acredito que depois de tudo o que falaram na televisão, você trouxe-me carne assada.”

Sim, lá estava eu, desajeitada, tentando passar-lhe às mãos o produto que a televisão havia endemoniado dias atrás. Como pude esquecer de esclarecer para minha mãe que a televisão não lhe contou a verdade, que diminuiu aqui, aumentou ali e acabou descaracterizando toda a história no sentido de torná-la possível de ser seguida, compreendida e reparada por uma senhora de 80 anos!

A ideia central dos noticiários é oferecer realmente pouca contribuição para o entendimento amplo de um tema. Sem imaginação, primeiro reproduzem os fatos, depois avaliam o estrago feito na economia, na vida e na mente de quem depende da notícia dita por inteiro para entender os acontecimentos.

A má informação no caso da minha mãe teve limite, ficou restrita a televisão. Em outras mídias, os absurdos sobre a carne pareciam insondáveis, porque a internet está cheia de notícias propositadamente confusas para gerar mal entendido e propagar reticências.

A mídia anda com mania de falsear as coisas até quando o tema é demasiadamente sério e complexo, como a reforma da previdência, que é necessária, tem que ser enfrentada mais dia menos dia, mas daí a propagar que é uma reforma que gera renda, que não suprime direitos trabalhistas, que não é uma crueldade com os trabalhadores rurais, sinceramente!

As perdas foram quase desenhadas pela ministra do Tribunal Superior do Trabalho, Dalaíde Arantes numa entrevista. Mas a imprensa não facilita a leitura. É difícil para a grande massa que recebe informação, processá-la criticamente e utiliza-la em seu favor.

Do ponto de vista de uma forma de civilização que prima pela informação, que deveria ser segura e rápida, não é bom deixar tantos rabos para trás com notícias falsas, mal ajambradas e inconsequentemente espalhadas no universo on-line,viral e volátil.

A preocupação com as notícias falsas mereceu investimento do Google, que criou um recurso que pode verificar a veracidade do que se noticia na internet e já está disponível no Brasil. Mas o paralelo, que seria o desmentido, ou correção da informação não vem com a mesma veemência, nem velocidade.

O famoso apresentador de televisão Willian Bonner, que entrou na casa da minha mãe para dizer que havia papelão misturado à carne do frango, não voltou lá para esclarecer que falavam de embalagens. Ela confiava tanto nele!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s