Espiral do silêncio

As eleições estão distantes, entretanto um grande número de analistas de política e economia entendem que dá para esperar e que estando o país minimamente funcionando é suportável até o final do ano que vem.

Particularmente, entendo que neste momento o quase nada de reformas e o funcionamento precário das atividades políticas não trazem alento algum e dá sobrevida a essa letargia que vai dominando os setores públicos e privados. A eleição poderia ocorrer agora e com certeza bons nomes existem sim!

A política é bem mais regida pelo princípio da contingência do que pelo princípio da necessidade, pois a contingência nos ensina que tudo pode ser diferente do que está aí colocado, que podemos interferir nos resultados, que a vida pode ser outra.

Porém, estamos na contramão desse ensinamento e sendo conduzidos pelo princípio da necessidade, onde acredita-se que as coisas são do único jeito que poderiam ser e não precisam ser mudadas.

Há um nível considerável de desconforto para clamar por eleições diretas nesse momento, existe um sentimento inevitável que o governo é um embaraço e perdeu a capacidade de tomar as decisões essenciais e esse desconforto traz consigo a teoria da espiral do silêncio, que é comumente citada quando se teme defender uma ideia contrária em relação ao que pensa a maioria.

É como lamentar os inconvenientes dos próprios erros, sem estar com a menor vontade de mudar ou de assumir a culpa e quando nos encontramos em momentos de nostalgia é natural que sejamos simultaneamente acometidos por um certo conformismo voluntário, a ausência do desejo de usar a própria liberdade para lutar para reverter o engano a que fomos submetidos em algum momento no passado.

Ler e escrever sobre política está se tornando insuportavelmente denso, exigindo esforço para não ficar repetindo as frases de efeitos sem conteúdo teórico, mas que são proferidas no sentido de padronizar nossas mentes e nos limitar a essa polarização ridícula como se ainda estivéssemos vivendo em 2014 e demonizar o pensamento mais à esquerda.

A verdade é que, em termos práticos, ninguém está lutando por coisa alguma senão pelo grupo de interesse, comportamento esse que é a consequência da cultura de tirar proveito do Estado, de se estabelecer num espaço onde há a política de negociação, renuncias e alianças nada convencionais.

É notório que a filiação numa instituição que atua no processo decisório da política funciona como uma credencial para se participar do jogo político com mais propriedade. Porém, mesmo estes foram silenciados pela crise de honestidade que envolve a pessoa do presidente da República, que apesar de previsível, paralisou o país e tornou impossível a qualquer analista prever o desfecho

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s