2018 vai ter que esperar

Não há ambiente para se lançar candidaturas agora, nem mesmo para discutir nomes. Por enquanto, é só fazer análise e os políticos tentarem escapar da vulnerabilidade que todos estão sujeitos.

Estar na política nesse momento é silenciar e aguardar os desdobramentos da delação “monstruosa” do ex-governador Silval Barbosa. Uns foram atingidos em cheio pela delação de quatro volumes confeccionados sob a tutela do ministro Luiz Fux.

Alguns políticos foram capturados em imagens num contexto difícil de explicação plausível e estes precisam construir uma interpretação realista, que não seja apenas vociferar contra “os réus confessos” que os delataram.

Outros foram apenas citados, aparentemente sem provas e estas acusações devem se perder no longo e tenebroso caminho que leva a 2018.

O momento pós-delação é complicado. Eu penso que vai por água abaixo tudo o que foi minimamente construído em termos de alianças possíveis e apoios declarados porque fatos novos podem surgir e muitos delatados no afã de se defenderem lançam sobre outros acusações até então não citadas.

Fora isto, está claro que os que tomaram a dianteira ou foram colocados em candidaturas importantes acabaram sendo alvos prioritários das delações.

O melhor exemplo do que digo, vem acontecendo com o ministro da Agricultura Blairo Maggi, que desde que teve o nome citado como possível vice-presidente da república numa chapa articulada pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, tem suscitado um movimento para desestabilizar e inviabilizar seu nome, além de ter se tornado alvo constante de acusações por parte dos que se opõem ao governo de Temer.

A conta tem sido salgada e como diz o próprio ministro, ele tem que matar um leão por dia para defender-se e conciliar os trabalhos à frente do ministério. E aí valeu tudo, até mesmo a história de má fé da FAB, no caso do avião carregado de drogas.

Estamos vivendo momentos sem precedentes. Basta um político assanhar-se numa candidatura ou apoiar um projeto de eleição que vira alvo. No momento penso que a atitude mais sensata seria apenas assegurar os espaços junto aos eleitores e cumprir um bom calendário nas bases.

Se é fato que as instituições só funcionam quando são respeitadas, a Justiça tem mostrado serviço e mandado o recado que ninguém está acima da lei. A prisão do ex-governador Silval Barbosa durou quase dois anos e no cenário nacional seguem presos o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral e o ex-mega empresário Marcelo Odebrecht.

Na Coréia do Sul, num caso muito parecido com que se viu no Brasil envolvendo relacionamento transgressor e íntimo entre empresário e presidente, após um midiático julgamento em Seul, foi para a cadeia por corrupção, o herdeiro da marca mundial Samsung.

Enquanto uns comentam e se preocupam com a corrupção e a delação do ex-governador Silval Barbosa, a grande maioria das pessoas quer mesmo saber quem é o homem que Reynaldo Gianecchini supostamente beijava nas águas do mar de Ibiza, Espanha. Vê? 2018 ainda está longe de acontecer!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s