Sem futuro?

Em vez de falar sobre punição vamos falar sobre a questão real da onda de violência que se abate sobre nossos adolescentes. O UNICEF, braço das Nações Unidas para a infância, está divulgando no Brasil um levantamento cujo resultado traz números apavorantes quanto ao assassinato de 16 jovens por dia no país.

E numa perspectiva futura, 43 mil adolescentes, com idade entre 12 a 18 anos terão a vida ceifada por homicídio ao longo dos próximos 7 anos.

O perfil do adolescente vítima de violência é do sexo masculino, negros, de baixa escolaridade e moradores da periferia. As principais razões das mortes são falta de políticas públicas inclusivas de responsabilidade do Poder Público; o consumo de drogas, o recrutamento pelas facções criminosas, causas que levam a evasão escolar.

Não adianta muito o estado receber o relatório, reconhecer o aumento da violência. É preciso que o estado faça alguma coisa para evitar essas mortes anunciadas e entenda que investir na educação é a única forma de dar um futuro a estes adolescentes. Orçamento parece não faltar. No ano passado o Ministério da Educação teve orçamento de R$ 100 bilhões e neste ano o valor se manteve, porém é preciso mudar a maneira como a educação vem sendo pensada, para fomentar além do conhecimento, o crescimento saudável de nossas crianças.

Não se trata de excluir a família da responsabilidade pelo destino da trajetória dos filhos. Sabemos que a família tem papel decisivo na educação formal e informal das crianças. É neste espaço que se absorve valores humanitários, laços de solidariedade e se formam valores culturais.

Vale lembrar que os adolescentes assassinados, inocentes ou não são copiosamente chorados pelos familiares, que em entrevistas relatam história de várias tentativas de resgate fracassadas.

Edgar Morin, conhecido no meio educacional é sociólogo, antropólogo e filósofo francês, é autor de vários livros. Entre eles, “Os sete saberes necessários para a educação do futuro” que são:

1- Transmitir conhecimento capaz de criticar o próprio conhecimento: educar não pode ser apenas a transmissão de conhecimento cega quanto ao questionamento do que é o próprio conhecimento;

2- Discernir informações chaves: o estudante deve ser encorajado a escolher o que lhe interessa dentro da enorme gama de informação que recebe.

3- Ensinar a condição humana: através da didática interdisciplinar falar sobre a diversidade e complexidade do ser humano.

4- Ensinar a identidade terrena: a Pátria comum é a Terra e isso pode ser compreendido quando se ensina as navegações a partir do século XVI. Foi a partir dai que o mundo interligou-se.

5- Enfrentar as incertezas: os jovens devem ser ensinados a navegar no oceano da imprevisibilidade e das incertezas. Isso pode ser feito mostrando a história, onde impérios pensados como perpétuos cairam.

6- Ensinar a compreensão: ensinar respeitar a idéia dos outros, os seus modos de vida, códigos éticos, rituais e costumes. Nunca etiquetar pessoas com rótulos racistas e xenofobicos.

7- Ensinar ética do gênero humano: a democracia não pode ser a ditadura da maioria. A democracia necessita de diversidade e antagonismos.

As inspirações de Morin para os educadores não devem ser guardadas para o futuro. Devem ser implantadas a partir de hoje.

Psicopata e esquizofrênico

Quantos de nós não experimentaram períodos de desolação, desespero e medo da escuridão de nosso próprio mundo interior?

De acordo com especialistas, muitas pessoas sofrem de distúrbios e fobias e, em algum momento de suas vidas, se não são diagnosticados elas sujam suas mãos porque são incapazes de compreender e debelar seus demônios internos, mantidos no escuro, secretos e invisíveis.

Não raro deixamos de enxergar o mal porque somos emocionalmente impulsivos e incapazes de suportar uma variedade de decepções e negações que fazem parte da vida. Aí entram os homens de mentes doentes, sem emoções apropriadas, egocêntricos, enganadores e destituídos de sentimento de culpa ou remorso.

Semana passada fomos tragados para a escuridão de dois mundos distantes e doentes. Dia 02 de outubro nos Estados Unidos um “lobo solitário”, nome dado aos assassinos que agem sozinhos, disparou contra uma multidão que se divertia num Festival de Música Country, em Las Vegas.

Matou 58 pessoas, feriu 515 e suicidou-se segundos antes da polícia invadir o quarto de hotel onde havia se hospedado. Um ato deliberadamente premeditado. O assassino transportou mais de 20 armas para a suíte, fez um buraco na janela e armou a espetacularização do próprio sadismo, desvio de caráter e frieza.

O assassino de 64 anos, americano branco, classe média alta, era filho de um famoso ladrão americano, foi criado pela mãe e levou vida aparentemente normal até aposentar-se. Mas, em algum momento, a mente mostrou-se doente e deve ter variado por não saber lidar com a imprevisibilidade e transtornos da existência.

E a psicopatia instalou-se causada por alguma disfunção biológica ou por mera aspiração à cometer um crime complexo que causas se a morte de muitas pessoas. O psicopata é um predador da espécie humana.

Três dias depois, a pequena cidade brasileira de Janaúba, em Minas Gerais, passou por seu rasgo de dor. O vigia da creche ”Gente Inocente”, Damião dos Santos, ateou álcool no local, nas professoras, nas crianças e em si mesmo, provocando 11 mortes; 1 professora, 9 crianças e o assassino, além de ter deixado vários feridos, com queimaduras graves. A professora com o corpo em chamas ainda se debateu tentando conter Damião e salvar as crianças.

Damião, de 50 anos, não deveria estar trabalhando num Centro de Educação Infantil com livre acesso às crianças. Há mais de 3 anos apresentava comportamento estranho, faltava muito e à família já havia dito que iria se matar.

Damião tinha mania de perseguição e acusava a própria mãe de querer matá-lo. Deixou bilhetes que comprovam sua loucura. Talvez fosse esquizofrênico. O que ninguém em Janaúba duvida é da premeditação da violência. Damião incendiou a creche no mesmo dia que seu pai havia morrido, 3 anos atrás.

Ninguém velou o corpo de Damião e no sepultamento estavam apenas os funcionários da funerária.

Nos Estados Unidos o massacre reacendeu o debate, que nunca vai adiante, sobre o controle da venda de armas de fogo. Alguns sobreviventes dizem que passaram por momentos de raiva, de dor e agora estão gratos pela vida. Em Janaúba, o pequeno Kaio, de quase 3 anos, chorando, abraçado à mãe desculpou-se por não estar na sala de aula: “desculpa mãe, o homem correu atrás de nós cheio de fogo.”

Ruídos, controvérsias e paralisia

É claro que se tem produzido muitos artigos, textos bons e sobretudo boataria tentando explicar o momento, no mínimo, intenso de adversidades que estamos enfrentando na política e, por conseguinte, em outros campos da vida social.

As controvérsias estão sempre presentes e muitas vezes os boatos predominam sobre a seriedade e verdade dos fatos. No limiar dos ruídos, tem-se produzido uma infinidade de notícias que não se sustentam diante da real situação, transitória ou não, da política.

As fissuras em várias esferas de poder são inocultáveis e os “homens públicos/inimigos” não vieram de outro planeta; saíram todos da nossa sociedade democrática, da minha família, da rede de relacionamento da sua família e são frutos, quase sempre da minha e sua escolha.

E na nossa relação com a realidade, ao presenciarmos ou lermos sobre um fato, nem sempre o fazemos com o espírito livre de dívidas, das tradições, das conveniências. E ao falar de política com alguma seriedade não se pode negar seu poder de transformação, nem tampouco ignorar que o ponteiro da transformação pode ser acionado para cima e para baixo e que atinge não apenas os convertidos, os ideológicos, mas tem também o poder de converter.

Chega de ressentimentos com a política. É assim que a coisa se processa nos períodos pré-eleitorais. A base aliada do governo, que sempre começa coesa e gigante, racha e fica difusa. Não temos que achincalhar, piorar o que já está caótico.

Podemos enriquecer nossa visão de mundo deixando de propagar noticias falsas viralizadas com o proposito de assaltar a razão e a responsabilidade que temos diante dos temas polêmicos e do clima de quase loucura que nosso estado atravessa. A paralisia que advém disso não faz bem a ninguém.

No livro Fahrenheit 451, escrito por Ray Bradbury, o autor cria uma sociedade onde tudo é controlado e na qual qualquer nível de reflexão é proibida.

Na escola, crianças não fazem perguntas, as casas e apartamentos não possuem sacadas porque ficar contemplando paisagens por algum tempo, pode gerar um pensamento meditativo.

Os leitores são presos e os livros são queimados. O conhecimento dos fatos só é permitido através dos aparelhos de televisão instalados espalhados por todos os cômodos das casas e espaços públicos.

O senso comum prevalece até o dia em que após várias incinerações de livros, o bombeiro conhece uma garota destemida, que não reconhece nele uma autoridade e faz-lhe pergunta sobre o cotidiano e sentimentos como amor e felicidade.

A garota nega-se assistir televisão e guarda o tempo para observar as pessoas, conversar e pensar. O bombeiro é instigado a refletir sobre o fascínio que a leitura exerce nas pessoas que não aceitam viver apenas atados as imagens e notícias que a televisão reproduz, pessoas que desafiam a ordem estabelecida, pelo prazer de construir seus próprios pensamentos.

Um aspecto inquietante entre a historia do livro e a vida real é que estamos diante de uma sociedade que não é analfabeta, mas muitos só reproduzem as fofocas que ouvem, só leem programação de Netflix e manual de instagram.

Aqui ainda não se queima livros. Aproveita e leia-os para formar seu próprio ponto de vista, para não ser intolerante diante do que é complexo, do que é desviante e contraditório. E isso vale quando falamos sobre política ou qualquer outro assunto e quando falamos dos outros, sejam estes políticos ou não.

A política está mudando para pior

Acreditamos facilmente no que queremos e em meio a nossa grande ignorância se, ao invés de queixas, algumas justificáveis, cada um procurasse conhecer e cumprir seus deveres, dificilmente nos extraviaríamos da preocupação de saber as ações justas que devemos realizar, quais evitar, quais leis devemos obedecer e sob qual lei seremos julgados depois.

Com todo respeito às coisas pretéritas e esperanças consoladoras, é neste presente que está acontecendo novos contornos e realinhamentos políticos locais, nacionais e internacionais.

É real a possibilidade de alarmante surpresa nas eleições do ano que vem. O cenário nacional é sombrio e está recheado de pautas conservadoras e políticos idem.

A economia está ancorada nas exportações de alimentos que impulsionam o já potente agronegócio brasileiro e a política está sendo pautada pelas ações do Judiciário. Investigar que é bom ninguém quer e no auge do retrocesso em algumas delações famosas, o MP perde tempo elaborando um manual de boas práticas para a delação premiada. Não é cômico, mas vamos para as eleições sem saber se votamos nos políticos ou nos membros do Judiciário.

 

É claro que as nossas inquietações sociais são frutos de escolhas políticas equivocadas, propositais e atemporais. É fruto do voto vendido, negociado, da falta de questionamentos e negação.

Por que não paramos com isso? Porque não queremos. Por acomodação e ignorância. Entretanto é difícil acostumar-se a viver em permanente transitoriedade. E assim, num cenário que desnuda novas realidades, vamos falando de eleições com coronel, secretário de Estado e deputado presos.

Pensa que chegamos ao fundo do poço? Não! Basta lembrar da foto da posse da procuradora-geral da República. Na mesa de autoridades apenas ela, a procuradora Raquel Dodge não era investigada.

Enfim, a República que foi exaltada como “perfeita” em discurso proferido na ONU semana passada, é a mesma que conhecemos: imperfeita e corruptível, envolta no sistema político mais fragmentado do mundo, onde o pemedebismo é a cultura dominante.

E assim vamos para as eleições sem ter aprendido discutir com eficiência, a homofobia, o racismo, a honestidade com a coisa pública; sem enfrentar de frente os problemas crônicos com a educação, saúde e segurança.

Estamos falando de eleições, mas a reforma política está emperrada, sem consenso e com destaques que sequer foram apreciados ainda e o prazo para votação finda dia 07 de outubro, próxima semana.

Além disso, a maioria dos eleitores não vêm seus pontos de vista refletidos nas posições políticas de nenhum suposto líder que se apresenta para 2018.

As partes precisam se entender.