A política está mudando para pior

Acreditamos facilmente no que queremos e em meio a nossa grande ignorância se, ao invés de queixas, algumas justificáveis, cada um procurasse conhecer e cumprir seus deveres, dificilmente nos extraviaríamos da preocupação de saber as ações justas que devemos realizar, quais evitar, quais leis devemos obedecer e sob qual lei seremos julgados depois.

Com todo respeito às coisas pretéritas e esperanças consoladoras, é neste presente que está acontecendo novos contornos e realinhamentos políticos locais, nacionais e internacionais.

É real a possibilidade de alarmante surpresa nas eleições do ano que vem. O cenário nacional é sombrio e está recheado de pautas conservadoras e políticos idem.

A economia está ancorada nas exportações de alimentos que impulsionam o já potente agronegócio brasileiro e a política está sendo pautada pelas ações do Judiciário. Investigar que é bom ninguém quer e no auge do retrocesso em algumas delações famosas, o MP perde tempo elaborando um manual de boas práticas para a delação premiada. Não é cômico, mas vamos para as eleições sem saber se votamos nos políticos ou nos membros do Judiciário.

 

É claro que as nossas inquietações sociais são frutos de escolhas políticas equivocadas, propositais e atemporais. É fruto do voto vendido, negociado, da falta de questionamentos e negação.

Por que não paramos com isso? Porque não queremos. Por acomodação e ignorância. Entretanto é difícil acostumar-se a viver em permanente transitoriedade. E assim, num cenário que desnuda novas realidades, vamos falando de eleições com coronel, secretário de Estado e deputado presos.

Pensa que chegamos ao fundo do poço? Não! Basta lembrar da foto da posse da procuradora-geral da República. Na mesa de autoridades apenas ela, a procuradora Raquel Dodge não era investigada.

Enfim, a República que foi exaltada como “perfeita” em discurso proferido na ONU semana passada, é a mesma que conhecemos: imperfeita e corruptível, envolta no sistema político mais fragmentado do mundo, onde o pemedebismo é a cultura dominante.

E assim vamos para as eleições sem ter aprendido discutir com eficiência, a homofobia, o racismo, a honestidade com a coisa pública; sem enfrentar de frente os problemas crônicos com a educação, saúde e segurança.

Estamos falando de eleições, mas a reforma política está emperrada, sem consenso e com destaques que sequer foram apreciados ainda e o prazo para votação finda dia 07 de outubro, próxima semana.

Além disso, a maioria dos eleitores não vêm seus pontos de vista refletidos nas posições políticas de nenhum suposto líder que se apresenta para 2018.

As partes precisam se entender.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s