A política não é uma escola de produzir vilões

As pessoas, cenários e eventos não estão congelados no tempo. Eles são processos e os processos, por definição, são sujeitos a mudanças constantes e evoluções em muitas direções.

Além disso, eles carregam em si um monte de contradições. É exatamente isso que torna o processo político dinâmico, contraditório e apaixonante.

Nas últimas semanas assistimos uma série de eventos, encontros e falas verdadeiramente impactantes. Pesquisas de intenção de votos, possibilidades de coligações inimagináveis, alinhamentos de discursos, comparações com situações de um passado recente e fotos, muitas fotos para mostrar que estão se movimentando, mudando de cidades e de palanques.

E você engrossa o percentual dos eleitores que diz que não acompanha a política e sequer se importa em conhecer os candidatos. Isso não pode ser sério! E o que significa seu desinteresse para a política e para a democracia?

Todos nós formamos expectativas e acabamos ficando desapontados com o corporativismo, com a corrupção, com os perfis simpáticos criados para enganar o cidadão. Lembre-se que os políticos saem do nosso meio, não possuem poderes mágicos para resolver nenhum problema e são, assim como eu e você, pessoas imperfeitas. Não são, portanto, heróis infalíveis nem vilões.

As candidaturas podem ser marcadas por polêmicas, mas que sejam também repertórios de boas demandas. O ambiente onde transitam os políticos não são arenas de guerra. O que implica contudo assegurar, que este não é um mundo de evidências gentis.

Leituras e estratégias colocadas à luz do dia exporiam obstinação e teimosia, traições e negações, que faria qualquer explicação, mesmo de gênios brilhantes, perder-se.

As pesquisas divulgadas enfatizam a falta de interesse dos cidadãos pela política, a desconfiança nas propostas e apontam a tendência de elevado número de pessoas a anular o voto. Claro que isso é lícito mas é angustiante o desperdício da oportunidade, num momento que o número de eleitores aumenta e encolhe o interesse e a confiança na política. Esse abismo real precisa ser revertido.

Em meio as todo esse barulho, ouso afirmar que a sede do governo, do Parlamento estadual e do Congresso Nacional não são escolas que produzem vilões. Façamos uma distinção. Os que por ventura estão lá foram pinçados equivocadamente da sociedade e merecem ser alijados do sistema, por serem assumidamente brandos no exercício do poder, desleixados ou por manterem-se perto demais de interesses conflitantes.

Pode ser que não tenhamos debates públicos apaixonantes, que sejam então civilizados e atraentes porque o público está efetivamente disperso e eventualmente pode despertar para votar em candidatos independentes o suficiente para sustentarem suas candidaturas fora do sistema de alianças tradicionais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s