Especulação absurda

Diante do confuso momento em que muitos brasileiros pediram a intervenção militar no país, o historiador brasileiro Leandro Karnal escreveu: “ a democracia não é o sistema de governo que garante o paraíso, entretanto é o sistema que impede que o inferno se instale”.

Não temos um hiato nos processos eleitorais. É como se vivêssemos prolongados momentos eleitorais e suas turbulências típicas; termina uma experiência, inicia-se outra, que junta-se a períodos de convulsão social, como ocorreu recentemente com o lockout dos caminhoneiros e então tem-se o combustível para as generalizações, disseminação de ódio e resgate de motes e slogans ultrapassados.

E, no devaneio de que é preciso gritar, estupidamente pedem intervenção militar no país. Será que é isso mesmo que querem? Que não haja eleição?

Obviamente que eleições livres não são o único traço que distingue uma democracia, porém a liberdade de escolha é uma de suas características marcantes. É absolutamente ignorância confundir o sentido das crises, das reivindicações, sobretudo de pautas específicas, como preço de combustível com a necessidade de se asfixiar uma democracia jovem, porém bem estabelecida.

Não soa honesto que grupos pró-intervenção tenham se utilizado de um movimento reivindicatório para levantar tal bandeira. Será que esses seres, que consagram velhas e ultrapassadas concepções, não acreditam que seja possível escrever uma nova página na história do país, uma etapa propondo a recuperação da dignidade das instituições, trabalhando com responsabilidade e diálogo para construir uma nação melhor?

Não creio que haja um sequer político brasileiro destacado a favor de tal absurdo, porque entendem que não há esfera política sem conflitos, sobretudo porque os pactos não são sempre respeitados e porque o homem político se corrompe para satisfazer interesses próprios e vaidades. Nós brasileiros e eleitores devemos ter respostas mais profundas para nossas desilusões, para que nos ocupemos dos papéis que nos cabem num ano eleitoral, entre eles, caprichar no voto.

Vejamos como podemos sair dos vícios e dos hábitos ordinários de pensar na vida buscando saídas e não formas de ficar e tentar melhorar. Deixar o passado de autoritarismo lá atrás, nos anos de 1964 a 1985 e lembrar apenas das gigantescas manifestações que ocorreram pelo restabelecimento da democracia e das eleições diretas.

Não nos iludamos: muitos militares preferem ser soldados em tempo de paz, e não de guerra.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s