Atores influentes, jogadores e aliados

Discute-se muito sobre quem seriam os atores a exercer maior influência nas eleições deste ano, no entanto, a discussão pode ser ampliada abrangendo os elementos que tais atores estariam usando ou ameaçando utilizar para garantir êxito no processo, o que vai do poder econômico, ao jogo de cenas e ameaça de se revelar segredos de bastidores de um passado recente.

A base aliada da maioria dos grupos políticos está sendo construída nos termos elaborados pelo sociólogo Zygmunt Bauman, quando ele formulou a teoria social do amor líquido, marcado pela máxima de que o importante é “parecer” e não “ser” nesse mundo moderno, que falta pontos sólidos para nos referenciar, o que faz com que os relacionamentos, mesmo quando aparentam certa fidelidade, se desmanchem no ar, dada a fragilidade dos laços que unem os protagonistas também nos embates políticos.

Nesse sentido é lamentável que o espaço político esteja sendo usado individualizado para lustrar biografias, postergar a consolidação de alianças e aumentar o preço do passe de certos jogadores.

É natural que, em algum ponto até da pré-campanha, haja enfrentamentos incisivos, mas a regra e não a exceção é conduzir os ataques pelo viés republicano, ou seja, com respeito. Há no ar vozes clamando por mudanças, por renovação, há pessoas entusiasmadas, com pensamento organizado se movimentando nesse sentido.

Ator influente poderia ser a mídia. Mas não entendo a insistência de se utilizar entrevistas para perguntar para um candidato sobre a vida de outro e demorar um bloco ou um parágrafo para interessar-se pelas propostas de reformulações de leis, pelas teorias de estabilidade econômica ou plano de governo. O momento caos não merece ser reverenciado nem instigado.

Mato Grosso tem sido o estabilizador da economia brasileira nestes últimos anos e assim deve continuar se você observar atentamente que podemos requalificar as lideranças do estado, ampliar as oportunidades e caprichar mais no que nos propomos fazer como candidatos ou eleitores, pois há áreas em que tudo está sendo deixado por fazer.

Enfim, surge o nome do verdadeiro ator, do jogador e do aliado que entrará em cena no fatídico 07 de outubro: o eleitor. Alguns eleitores sequer identificam os partidos, em outros casos, a identificação partidária dura apenas o período eleitoral, o que faz com que as variáveis ideológicas percam espaço para outros elementos. Há, como esperado, um declínio substancial de interesse por partidos, que em outro tempo, catapultados pela polarização, foram atores importantes nas eleições.
Vês?

Novamente há um espectro que molda a teoria do amor líquido a nos espreitar: estamos ansiando por projetos prontos, completos enquanto deveríamos nos ocupar de arregaçar as mangas e ajudar a construir tais projetos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s