Ressignificação da vida

Devemos respeitar as inclinações e direitos dos indivíduos, ainda daqueles que seguem caminhos familiares, religiosos e políticos diferentes. Devemos tentar a promoção da harmonia entre os seres, entre os círculos de convivência ou entre estranhos.

Apesar das visões divergentes e até aversão uns pelos outros, reflito sobre como combater o discurso de raiva que permeia todos os diálogos de jovens, velhos, doutos e autodidatas, “direita e de esquerda” e, enquanto estou nessa atmosfera dominada pela raiva na fala e na mente, qual é a melhor prática que posso desenvolver para que possamos compartilhar pelo menos um ponto em comum: acreditar na vigorosa defesa da liberdade?

Reconhecendo a impermanência dos momentos, reconheço também que a intolerância não foi gerada por nenhuma força extraterrestre, nem tampouco por um destino imutável. A intolerância surge das nossas relações cotidianas, dos nossos hábitos, é criação da mente humana. E o “ser” do homem é uma fonte inesgotável de possibilidades.

Se a intolerância e outras práticas igualmente nefastas interferem nos nossos projetos existenciais, isso exige uma ressignificação de nossas vidas. O caminho precisa ser percorrido, inexorável! Ressignificar a vida é produzir sentidos para a experiência, pensar nas coisas de outro modo, adotar novos pontos de vista, levar em consideração fatores menos tensos, levar o outro para passear.

A ressignificação da vida implica um processo de reordenamento dos pensamentos e das atitudes desestabilizadas pela inquietação. Dar novo rumo às crenças e aos problemas orgânicos e existenciais. Para dar um novo significado à vida, precisamos nos fazer perguntas e não aceitarmos as respostas engasgadas transmitida pela cultura, pela sociedade, pela família, pela religião ou pelo estado.

A busca de sentido, do viver tranquilo, da interpretação de novas experiências é uma construção progressiva de significados, de situações das diversas esferas da vida, de histórias acumuladas, de receitas e fórmulas, de passeios agradáveis. A introdução de uma nova concepção no modo de viver, como resposta, exige que a pessoa se situe em um novo contexto existencial.

Sentir-se inundada pela tolerância e acolhimento ao que é diferente não deve causar nenhum constrangimento, não obriga a curvar-se ou render-se aos conceitos dos outros. Não é necessário sair de si para enxergar respeito no outro, para aprender com o outro, para passear com o outro.

Desconhecido é somente aquilo que ainda não sabemos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s