A pandemia e o processo de globalização

O sociólogo Octavio Ianni ao discorrer sobre a sociedade mundial disse que o mundo é uma realidade social, complexa, difícil, impressionante, fascinante mas pouco conhecido. O mundo está abalado. Tudo o que parecia estável sofre transformação. Mesmo o que permanece, não é a mesma coisa.
Altera-se a forma como nos relacionamos. Fomos todos levados para um cenário novo, inesperado e assustador.

É como se a própria terra assumisse uma fisionomia distinta, com o horizonte da globalização a nos ameaçar, com o surgimento de um vírus impiedoso e global.

Quase todos os lugares foram alcançados, cada ponto do espaço na metrópole ou na pequena cidade e somente a minha e a sua casa é o que temos de proteção.
Sob muitos aspectos essa nova situação muda definitivamente nossa ideia de lugar, de espaço. Voltamo-nos para dentro de nós mesmos e num prazo de 30 dias estamos nos reconhecendo numa rotina sem dinamismo, carregada de preocupações.
Estamos todos sendo desafiados e levados por um caminho que muitos antes de nós trilharam ao vivenciarem outras epidemias e 2 grandes guerras.
Se tentares ir para outras terras, não acharás novas terras, esta epidemia há de seguir-te por onde andares.

A afirmação de que os seres humanos estão hoje em contato uns com os outros, em todo o mundo, como nunca na história, não tem controvérsia e isso diz respeito a globalização, processo em que os povos do mundo compartilham uma sociedade global dinâmica. A globalização ou globalismo não é um processo de comunhão simplesmente político-econômico, mas também social, cultural, compreendendo problemas que podem ir de ecológicos e religiosos a problemas de saúde pública. E eis que um surto globalizado abala nossas relações e nos impõe o distanciamento social.

O novo coronavírus está se transformando em um enorme teste de estresse para a globalização. À medida que as cadeias de suprimentos se rompem, as nações acumulam equipamentos de proteção, suprimentos e equipamentos médicos, limitam as viagens, vigiam as fronteiras. A crise está forçando uma grande reavaliação da economia global interconectada. A globalização promoveu uma profunda interdependência entre empresas e nações, que as torna mais vulneráveis ​​a choques inesperados. Agora, empresas e nações estão descobrindo o quanto são vulneráveis.

Mas a lição do novo coronavírus não é que a globalização falhou. A lição é que a globalização é frágil, apesar ou por causa de seus benefícios. Por décadas, os esforços incansáveis ​​de empresas individuais para eliminar a concorrência geraram riqueza sem precedentes.

Não é de surpreender que a epidemia do COVID-19 esteja sendo usada nas narrativas nacionalistas, como se vê aqui no Brasil. Para muitos as origens chinesas da doença simplesmente reafirmam a crença de que a China representa um perigo para o mundo e não se pode confiar que  se comporte de maneira responsável. Em um mundo inundado de desinformação, o COVID-19 está contribuindo para aumentar as conversas errôneas.

No âmbito destas configurações qualquer fato que ocorre em qualquer lugar do mundo, pode produzir efeitos imediatos em outros lugares. Cada vez mais pessoas experienciam viagens internacionais e casamentos transnacionais.
Quais lições tiraremos para vida depois que a vida se restabelecer normal? Modificarão os significados das fronteiras?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s