Quando retornarmos ao estágio normal de vida

Segundo observação da ONU esta é uma crise de saúde global, diferente de tudo o que se viu em 75 anos de história das Nações Unidas.

Desde o estabelecimento da pandemia do Coronavírus, há um sentimento quase geral de que o mundo está vivendo um momento crucial e nada será como antes. As ponderações realísticas voltam ao estado forte, a ascensão do nacionalismo, o decréscimo na crença da governança global, o que significa, uma leve retração no processo de globalização. Durante o período da pandemia, os governadores e prefeitos se responsabilizaram em liderar a luta contra o vírus e assim, expandiram suas autoridades na esfera mais sensível da vida dos cidadãos.

Ainda bem, né? Porque o governo federal optou por não encarar os fatos, por tapar os olhos aos mil mortos por dia no Brasil. Numa reunião de quase três horas de duração entre o Presidente da República e seus ministros, as palavras “Coronavírus e Covid-19” apenas foram mencionadas fora do contexto do momento caótico que estamos vivendo para sinalizar que é a hora propícia de distração da mídia para avançar, às escuras, na flexibilização das leis ambientais.

Estamos sós, trançados no medo de que o amanhã não chegue e ainda assim,  temos ouvido vozes positivas dizendo que quando a crise da Covid-19 passar, ou pelo menos quando nos permitir retornar ao estágio normal da vida, teremos grandes mudanças, cooperação global e melhor preparação para a próxima pandemia. Acreditam que as pessoas experimentarão mudanças pessoais também, serão talvez mais tolerantes, mais amorosas e desprendidas em relação ao valor dado às coisas materiais. Não custa crer que ressurgiremos mais fortes num mundo de valores novos porque não existe lado bom nessa crise. Mesmo se morresse uma pessoa por dia de Covid-19 já seria inaceitável.

Esta crise está testando nossa paciência e sensibilidade diante de circunstância dramaticamente excepcional.

Não faz bem sermos obsessivos em acompanhar as notícias, sobretudo porque o vírus foi politizado. Esta crise está se desdobrando lentamente e não temos que ficar presos a ela, minuto-a-minuto, tampouco mover-nos em preocupação com o retorno às aulas, a realização ou não do ENEN, das eleições municipais e outras pautas que podem esperar. Não há quem saiba como as coisas acontecerão na próxima semana.

Para a maioria este é um tempo depressivo, incerto, com elevado grau de ansiedade. Alguns estão isolados, outros sentem a pressão de estarem mantendo convivência de risco no trabalho o dia todo e há os que perderam o trabalho e a esperança.

Cada pequena mudança em nosso estilo de vida pode ser surpreendentemente difícil, isso serve para todo mundo. Para usar uma metáfora, você pode não ser capaz de determinar quais são os obstáculos internos que você enfrentará mas você pode se tornar mais forte mentalmente para enfrenta-los.

Entre o bem e o mal, para a maioria de nós, é um pouco dos dois lados, dependendo do dia. Por ora, basta afugentar o medo e o pânico que tornaram virais desde o início da crise meses atrás. Preocupações habituais são pensamentos familiares e o que importa é que apesar das preocupações com a vida pós pandemia, você esteja seguro e bem cuidado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s