Qual é a minha cruz?

Estamos desde o dia 20 de novembro vivenciando a campanha 21 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher. Internacionalmente a campanha começa dia 25 de novembro, dia Internacional da não violência contra a mulher,  porém no Brasil a data foi antecipada para 20 de novembro, dia da consciência negra.  A campanha busca conscientizar a população sobre os diferentes tipos de agressão perpetrados contra as muheres.

A violência contra as mulheres constitui uma manifestação das relações de poder historicamente desiguais entre homens e mulheres e é usada como uma ferramenta de opressão, impondo o domínio e a discriminação das mulheres em todos os cantos da sociedade. O feminicídio, que é o assassinato de mulheres pelo fato de serem mulheres, ocorre muito no âmbito familiar, nas relações afetivas, e é uma violência que não esconde a estratégia de humilhar, desmoralizar o ser feminino e se estende por todas as culturas, classes sociais e localidades do planeta.

A violência doméstica é uma das violações dos direitos humanos mais generalizadas e devastadoras. Mulheres são mortas no local onde deveriam estar mais seguras. Elas são mortos em suas próprias casas, na maioria das vezes pela pessoa em quem mais confiam e na frente de filhos pequenos.

Semana passada os jornais locais estamparam a noticia de um agressor de mulher, filho de um desembargador. Qual é a relevância de se dizer quem é o pai do agressor? Tudo o que é publicizado a respeito da violência contra a mulher, cada detalhe, amplia o debate, dá visibilidade ao tema, traz novas perspectivas e novo público para as discussões sobre a violência endêmica contra as mulheres e o aparato criado pelo sistema para coibir-la; a Lei Maria da Penha, medidas protetivas, botão de pânico, o novo tipo penal; a violência psicológica contra a mulher.

O noticiário tem sido intenso, com mulheres que foram brutalizadas, espancadas, ameaçadas a não denunciarem, ameaçadas a permanecerem no relacionamento violento e depois mortas.  1 em cada 3 mulheres em todo o mundo sofre violência física por parte de seu parceiro íntimo. Isso significa que todos nós, certamente conhecemos mais de uma mulher que sofre ou sofreu violência doméstica. Olhe a sua volta. O abuso se dá de muitas formas, em muitos casos não lesiona o corpo, definha a alma. Afeta muitas pessoas, não importa onde estejam no mundo e as crianças que crescem nessas famílias costumam ser vítimas de abusos também e carregam marcas pela adolescencia e vida adulta.

No ano de 2020, o Brasil  registrou 105.821 denúncias de violência contra a mulher. Em 2019 o Brasil ocupava o quinto lugar no mundo em feminicídios, com 50% dos casos cometidos por parceiro íntimo. Ainda há o estigma da denúncia. Se você relatar um estupro, é sobre o que você estava vestindo. Se você denunciar assédio sexual, é sobre o que você fez para provocá-lo. Se você relatar abuso, é sobre a dinâmica de seu relacionamento. Até quando as mulheres vão se levantar todos os dias e se perguntarem: qual é a minha cruz de hoje?

Na moderna América, um deputado republicano do estado da Virginia fez uma apologia ao estupro ao dizer textualmente que o estupro pode ser um ato bonito (rape can be beautiful) se deste ato resultar o nascimento de uma criança. Um  senador, tentando corrigir o incorrigível nas declarações do outro, disse que as mulheres rotineiramente fabricam histórias de violência e estupro para obterem vantagens.

A América não me inspira. Em “A educação do príncipe cristão”, Erasmo de Roterdã, teólogo e filósofo holandes, escreveu que as virtudes mais elevadas para ser um homem ideal, seriam as virtudes consideradas fracas: a clemência, prudência, gentileza, civilidade, sobriedade, temperança, integridade e a equidade”. Por mais homens brancos, negros, ricos, pobres, iletrados, formados dotados de virtudes fracas!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s