O número de Dunbar

Estudando a amplitude dos relacionamentos que conseguimos manter com os mais diversos tipos de pessoas, fiquei precupada em saber quantas dessas pessoas sou capaz de efetivamente amar, de nutrir algum tipo de sentimento como amizade, gratidão, lealdade, com quantas construo e compartilho uma história pessoal, com vínculos que valem a pena serem preservados. Penso que precisamos encontrar um equilíbrio entre a quantidade dos relacionamentos e o nível de intimidade que desenvolvemos com as pessoas envolvidas. É extremamente difícil chorar em um ombro virtual.

Por meio de estudos com primatas não humanos, o antropólogo britânico Robin Dunbar concluiu que o tamanho do neocórtex, parte do cérebro associada à cognição e à linguagem está vinculado ao tamanho de um grupo social coeso com o qual conseguimos nos relacionar. Em um estudo de 1993, Dunbar aplicou esse princípio aos seres humanos, examinando dados históricos, antropológicos e psicológicos contemporâneos e teorizou que os humanos não poderiam ter mais do que cerca de 150 relacionamentos significativos simultâneos, uma medida que ficou conhecida como número de Dunbar.

O número de Dunbar se aplica a relacionamentos de qualidade, amizades significativas não a conhecidos que representam as camadas externas mais casuais de nossas redes sociais. 150 é o número de pessoas com as quais mantemos uma relação com pouca ou nenhuma reserva, com uma história de vivências passadas em comum e algum nível de intimidade. Essas são as pessoas com as quais procuramos manter contato, em cujas trajetórias de vida temos um interesse maior. São pessoas com as quais recíprocamente trocaríamos ajuda.

Os indivíduos não dão peso igual a cada relacionamento e as evidências da hipótese do cérebro social sugerem que nosso círculo social mais fechado é formado por apenas cinco pessoas, que são os entes realmente queridos. Devemos acumular apenas 15 bons amigos, 50 amigos, 150 contatos significativos, 500 conhecidos e 1500 pessoas que você pode reconhecer de um evento ou outro. Dunbar diz que o que determina a camada de afeição na vida real é a frequência com que vemos as pessoas.

A maioria das relações são temporais e quando um novo amigo é feito, normalmente um antigo provavelmente será abandonado para equilibrar as relações. Quando as pessoas têm mais de 150 amigos, as relações excedentes geralmente são fugazes, pois o estudo considera que não é possível ter intimidade com número grande de pessoas. E, de acordo com ele, se um grupo exceder 150 pessoas, é improvável que o agrupamento dure muito tempo ou seja harmônico.

Há uma verdade implícita nos números de Dunbar que considero fazer muito sentido. Se nos dedicamos a construir relações sólidas, buscando informações sobre as pessoas, destinando-lhes tempo para mensagens e visitas, estes relacionamentos tornam-se melhores, mais significativos, por outro lado, isso provavelmente também limita o número de relacionamentos saudáveis e verdadeiros que conseguimos ter. Até mesmo na internet, é mais fácil ter relacionamentos mais sólidos quando temos menos contatos para dar atenção. E alguns relacionamentos deixamos morrer porque nos custa muita energia para mantê-los. No final, faz sentido que haja um número finito de amigos com os quais possamos compartilhar amorosamente nossa caminhada.

Evidentemente os números representam uma média e contextualidos o tempo, o alcançe incrível das mídias sociais, as contestações de alguns pesquisadores sem contra provas contundentes. A teoria de Dunbar tem quase 30 anos e  os jovens que nunca conheceram a vida sem internet, podem entender que as relações digitais são tão significativas quanto as presenciais.

*Robin Ian MacDonald Dunbar é um antropólogo e psicólogo evolucionista britânico, especialista em comportamento de primatas, é chefe do Grupo de Pesquisa em Neurociência Social e Evolutiva do Departamento de Psicologia Experimental da Universidade de Oxford.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s