Filme, reflexões e políticos escurecendo a pele

O filme Pantera Negra: Wakanda para sempre, indicado ao Oscar de melhor filme, arrecadou cerca de US$ 300 milhões nos cinemas no primeiro final de semana da estreia, a maior soma de todos os tempos para uma estreia de filme em novembro. Os espectadores são levados de volta à fictícia Wakanda através dos desafios que a protagonista, a princesa Shuri, enfrenta após a morte de seu irmão, o Rei T’Challa, que foi interpretado pelo ator Chadwick Boseman que morreu de câncer em 2020, antes do início das gravações.

No primeiro filme e na sequência o elenco é majoritariamente negro. Pantera Negra trouxe para a telona a representatividade negra que muitos de nós sentíamos falta nas produções cinematográficas, principalmente pelo fato de expor positivamente a representatividade de homens e mulheres negros, além disso, as discussões são permeadas de contextualização política, social, racial, sobre diversidade e ancestralidade dos povos africanos.

Assista o filme, deixa-se envolver pela força e poder das mulheres negras, Shuri, rainha Ramonda, Okoye, Riri e Nakia, que comandam a batalha de Wakanda contra o mundo submerso governado por Namor, ciente que é um filme lúdico, com músicas africanas poderosas, não reflete a realidade nem a rotina de Hollywood ou da indústria cinematográfica, que não faz nada sem grandes pesquisas sobre produtos e tendências de comportamento.   

Políticos brasileiros descobriram quando ser negro é vantagem. O período eleitoral revelou um grande número de parlamentares que escureceram a pele movidos pela ganância de receberem recurso maior do Fundo Eleitoral. É inacreditável, mas uma pesquisa feita pelo site Brasil de Fato mostra que dos 135 deputados federais negros eleitos em outubro passado, 19% haviam declarado serem brancos na eleição anterior. Entre os políticos que mudaram a declaração de raça há figuras conhecidas como o vice-presidente Hamilton Mourão, que se elegeu senador pelo Rio Grande do Sul e o atual presidente da Câmara Federal, deputado Arthur Lira reeleito por Alagoas, que antes era branco e agora se declarou pardo. Uma vergonha! Não entendem uma palavra do que disse Zumbi do Palmares: “nascer negro é consequência, ser negro é consciência.”

Embora o Brasil siga sendo o país com maior número de negros fora da África, não falamos sobre racismo, preconceito, muito menos admitimos nutrir algum desses sentimentos. Empurramos a discussão para debaixo do tapete, para a próxima geração falar sobre isso. Na vida real, o racismo é crime e a Lei 7.716 tipifica os diversos casos de discriminação.

No mais, como disse a cantora Iza: “Não tem como ter saúde mental sendo negro. É difícil saber que podemos morrer só por ser quem somos. Mas óbvio que a fama me afastou disso” mas as estatísticas seguem cruéis. Um levantamento da Rede Observatórios de Segurança, aponta que a cada quatro horas um negro é morto pela polícia no Brasil. Das mais de 2.600 mortes em ações policiais em 2020, 82,7% das pessoas eram negras. O Fórum Brasileiro de Segurança Pública e do Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) aponta que, das quase 35 mil mortes de jovens entre 2016 e 2020 no Brasil, 80% eram de negros.

O estudo “Violência armada e racismo: o papel da arma de fogo na desigualdade racial”, do Instituto Sou da Paz, mostra que dos 30 mil assassinatos por agressão armada em 2020, 78% foram contra pessoas negras. Não seja condescendente com o racismo, tampouco seja tolerante com o racista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s