Nos afogamos em dados mas temos temos sede de significado

2023 foi ano que trouxe o fim da pandemia. Oficialmente declarada em 5 maio, pela Organização Mundial da Saúde.

Ao pesquisar artigos e ensaios sobre as perspectivas para o ano que se inicia, superado o fardo do medo da morte, identifiquei que certo desconforto está crescendo em todos os setores da sociedade. É um descontentamento ainda lento, que tem permeado as forças sociais, econômicas e tecnológicas, que cresce nas sombras do nosso mundo hiper conectado, onde as brilhantes promessas da globalização da tecnologia não conseguiram materializar-se para a maior parte das pessoas. 

O que parece um estardalhaço, à primeira leitura, são as afirmações de que os próximos 10 anos testemunharemos mudanças dramáticas e radicais. Estas são as linhas iniciais de um capítulo da história humana, que dizem estar começando em 2024. Uma década de descontentamento está chegando. 

Uma das causas apontadas é o investimento sem precedentes nos sistemas de inteligência artificial, que podem executar tarefas que antes estavam no domínio dos trabalhadores humanos, com isso, cresce o temor que esta mudança irá retirar empregos em quase todas as áreas de trabalho. E a nova narrativa de descontentamento, não é apenas com políticas ou líderes específicos, mas com os sistemas e estruturas que moldaram o mundo atual, escorado em conexões virtuais e informações sem precedentes, em fluxo e velocidade.

Entendo que transformações, são cruciais num mundo que atingiu em primeiro de janeiro o número espantoso de 8.019.876.189 de pessoas. Atualmente a taxa de crescimento está em declínio e deverá cair ainda mais nos próximos anos, mas a população mundial continuará crescendo, porém num ritmo mais lento.

Como crer que seja possível estabelecer ligações sociais genuínas ou melhorar as interações no mundo real para esse contingente gigantesco de pessoas, quando efetivamente estamos presenciando o desenvolvimento de plataformas sociais baseadas em inteligência artificial para simular a interação humana, proporcionando uma aparência de conexão placebo, sem a profundidade e riqueza das relações humanas genuínas?

Um mundo com 8 bilhões de pessoas oferece infinitas possibilidades. Sim, positivas e negativas em maior escala se nova abordagem não for tentada, no sentido de compreender essa aldeia global, onde se fala mais de 6 mil línguas, mais da metade falam dialetos chineses, inglês, indiano, espanhol, árabe, bengale e português. As crenças se dividem sobretudo entre cristãos, mulçumanos, hindus, budistas e judeus.

No planeta falta água potável, sistemas sanitários adequados, nem todas as famílias têm eletricidade em casa, nem todas as crianças frequentam escolas, nem todas que frequentam aprendem a ler, num sistema educacional ainda machista, onde mais meninos são ensinados a ler do que meninas.

Temos, então, mais de 8 bilhões de razões para prestar mais atenção no planeta, para ter mais cuidado um com o outro, atentarmos sobre os efeitos devastadores causados pelos desmatamentos e, mais importante, cuidar mais da saúde e do bem-estar sobretudo das mulheres e crianças.

Muitos tem razão para estar aflitos e com certo medo. Para quem cultiva a vaidade, não é fácil reconhecer-se em apenas um pontinho entre 8.019.876.189 pessoas. Para outros, é uma inspiração viver numa sociedade de diferentes, onde cada pessoa é um conjunto de substantivos e adjetivos, sem que nenhum destes a defina completamente.

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *